09.07.2016 | 11h47


GERAL / ESVAZIOU

Mais uma categoria deixa greve de servidores pela RGA

O Sindes, que representa os servidores da área de desenvolvimento econômico e social, decidiu suspender a greve nesta sexta-feira (08).


DA REDAÇÃO

Os servidores da área de Desenvolvimento Econômico e Social decidiram, nessa sexta-feira (08), durante assembleia geral da categoria, suspender a greve pela revisão geral anual (RGA), que durou 39 dias. No lugar da paralisação, o Sindes (Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais da Carreira dos Profissionais de Desenvolvimento Econômico e Social do Estado de Mato Grosso) criou um comitê permanente de luta. Os servidores, que estão lotados nas mais diversas secretarias, voltarão ao trabalho na próxima segunda-feira (11). 

"Estamos sendo penalizados injustamente, acho que o governo deveria dar mais atenção aos que ganham menos", avalia o servidor Edio Volnei sobre a RGA.

Conforme nota enviada à imprensa, os servidores chegaram à conclusão de que chegou a hora de traçar outras formas de mobilização, outras estratégias de luta e outras formas de defesa dos seus direitos. “Suspendemos nossa greve não porque estamos nos sentindo enfraquecidos pela ausência de outras carreiras. Pelo contrário, estamos mais fortes, mais unidos e com uma grande bagagem de aprendizado. Suspendemos a greve, por estarmos conscientes de que estamos ainda aprendendo a lutar”, diz trecho do documento.

De acordo com as falas dos vários sindicalistas que participaram da assembleia nessa sexta, apesar da suspensão da greve, continua a sensação de ter os direitos violados, desrespeitados, roubados. “Ainda está latente em nossas mentes e, principalmente, em nossos bolsos. Não tivemos nenhum ganho na esfera econômica”, afirma a categoria que deixou aberta a possibilidade de que a greve possa ser retomada a qualquer momento.

Edio Volnei

sindes assembleia

 Presidente do Sindes, Adolfo Grassi. 

 

O movimento "Sindes pela base" destacou o posicionamento recente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) em pagar a RGA para seus servidores efetivos, quando o presidente da Casa, deputado Guilherme Maluf disse que “não tem como não pagar a RGA para os efetivos, pois está na lei e posso ser responsabilizado se não fizer isso. Eu não quero que a RGA da Assembleia se torne uma nova URV”. Segundo a nota do sindicato, esse posicionamento do Parlamento será utilizado em ações futuras para enfrentar o governo do Estado.

De acordo com o servidor Edio Volnei, afiliado ao Sindes, a categoria vai buscar outras alternativas para garantir o pagamento integral da RGA. “A cada dia que passa, fica mais do que provado que o governo não pagou a RGA simplesmente porque não quis, pois dinheiro tem para tudo menos para a reposição salarial dos servidores do Executivo. A revolta é essa, estamos sendo penalizados injustamente, acho que o governo deveria dar mais atenção aos que ganham menos”, destacou. 

Confira nota do Sindes na íntegra:

Hoje, em nossa Assembleia, a maioria deliberou pela SUSPENSÃO DA GREVE e pela criação de um Comitê Permanente de Luta.

Deliberamos pela suspensão, pois entendemos que chegou a hora de traçarmos outras formas de mobilização, outras estratégias de luta e outras formas de defesa contra os ataques aos nossos direitos. Suspendemos nossa greve não porque estamos nos sentindo enfraquecidos pela ausência de outras carreiras. Pelo contrário, estamos mais fortes, mais unidos e com uma grande bagagem de aprendizado. Suspendemos a greve, por estarmos conscientes de que estamos ainda aprendendo a lutar; e mesmo durante esse aprendizado inicial decidimos por convicção a continuar na luta e agora decidimos, com maturidade e qualidade nos debates, suspender a greve no NOSSO TEMPO e não fazendo Ctrl C e Ctrl V das decisões de outras carreiras.

Queremos que a população do Estado de Mato Grosso saiba que a greve está suspensa, mas que sensação de que fomos violados, desrespeitados, roubados ainda está latente em nossas mentes e, principalmente, em nossos bolsos. Não tivemos nenhum ganho na esfera econômica. O CALOTE deste governo, que se diz de transformação, é algo que jamais será ou deverá ser esquecido. Sendo assim, A GREVE PODERÁ RETORNAR A QUALQUER MOMENTO, se a categoria decidir.

E para ratificar o descaso com os Servidores do Poder Executivo, por parte deste governo e pela ALMT o Presidente da casa, Deputado Guilherme Maluf, afirmou na data de ontem: “Não tem como não pagar a RGA para os efetivos, pois está na lei e posso ser responsabilizado se não fizer isso. Eu não quero que a RGA da Assembleia se torne uma nova URV” declaração feita ao conceder a RGA e auxílio alimentação aos servidores daquela casa.

Deputado Guilherme Maluf, obrigado! Com toda certeza, sua declaração será de grande utilidade nos processos contra o DESGOVERNO de Mato Grosso.

Deixamos registrado nosso apoio a todos os guerreiros que ainda permanecem em greve.

Deixamos registrado nosso agradecimento a todos que apoiaram a nossa causa.

A luta continua!

Cuiabá, 08 de julho de 2016.

 

SINDES PELA BASE











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

D.Mariana  09.07.16 15h04
A categoria continua firme, até porque que quem não luta pelos seus direitos não é digno dele.

Responder

1
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO