25.01.2020 | 16h30


TELEXFRIA

Justiça nega indenização a moradora de VG que perdeu dinheiro em esquema de pirâmide

De acordo com a decisão, as provas apresentadas pela vítima são ‘frágeis e inconsistentes’. A denunciante não conseguiu apresentar comprovantes de depósitos


DA REDAÇÃO

Uma várzea-grandense teve negado pela Justiça, o pedido de restituição de cerca de R$ 29 mil, que alega ter investido na empresa Ympactus Comercial LTDA. A decisão é da juíza  Silvia Renata Anffe Souza, da 4ª Vara Cível de Várzea Grande e foi proferida no dia 17 de janeiro.

A empresa, que ficou nacionalmente conhecida por atuar em esquema de pirâmide financeira, foi intimada sobre a ação, porém, não se manifestou e foi julgada à revelia.

A moradora de Várzea Grande usou como fundamento uma decisão da Justiça na cidade de Rio Branco, no Estado do Acre, onde a 2ª Vara Cível daquela cidade declarou a nulidade de todos os contratos firmados pela Ympactus (Telexfree). A decisão determinou que a empresa procedesse a devolução dos valores expedidos por cada um dos contratantes.

Porém, ao analisar o processo, a juíza notou que a requerente não conseguiu comprovar ter investido na empresa em questão, sem os comprovantes de depósitos.

“Analisando detidamente aos autos, verifica-se que a parte autora não logrou êxito em comprovar a liquidez do seu crédito, haja vista não ter colacionado aos autos, comprovantes de pagamento ou qualquer outro documento comprobatório que demonstrasse os pagamentos elencados na inicial. Em que pese à parte autora tenha apresentado o documento de fls. 15, que demostra a princípio a relação jurídica entre as partes, tenho que não resta suficiente para comprovar a perda patrimonial da parte autora em benefício da empresa requerida”, relatou a magistrada.

Segundo a magistrada, caberia à várzea-grandense cumprir o chamado ‘ônus da prova’. O pedido foi negado pelo fato dos argumentos serem “frágeis e inconsistentes”.

“Assim, verifica-se que não restou demonstrado nos autos que a parte autora realizou a aquisição de dez contas AD Central Family no valor de R$ 29.256,68 (vinte nove mil, duzentos cinquenta seis reais e sessenta oito centavos), perante a requerida, uma vez que tal alegação ficou relegada ao campo hipotético, sem qualquer prova robusta da sua ocorrência”, decidiu a juíza.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

ana  26.01.20 16h53
logo que começou esse telexfree me chamaram logo vi que era furada pra ganhar dinheiro facil so pode ter rolo

Responder

1
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO