26.02.2020 | 17h55


GERAL / APÓS 3 MESES DE CADEIA

Justiça manda soltar jornalista que enviava foto do pênis para colegas

Leonardo Heitor estava preso desde 25 de novembro, após descumprir uma medida protetiva


DA REDAÇÃO

Juíza da 2ª Vara Especializada em Violência Doméstica, Tatiane Colombo determinou a soltura do jornalista Leonardo Heitor acusado de crimes sexuais contra colegas de profissão. Ele deixa o Centro de Ressocialização de Cuiabá (CRC) ainda nesta quarta-feira (26), após três meses atrás das grades.

A decisão não impõe nenhuma medida cautelar ao jornalista, que estava preso pelos crimes de tentativa de estupro e ameaça.

Na semana passada, conforme noticiou o , a defesa de Heitor já havia conseguido uma decisão favorável em relação ao crime de tentativa de violação sexual mediante fraude e estupro.

Agora, com decisões favoráveis em relação aos três crimes em que é réu, o jornalista passará a responder em liberdade.

Além dos três casos que resultaram na prisão do jornalista, Leonardo coleciona denúncias de cunho sexual contra dezenas de mulheres. Ele foi preso no dia 25 de novembro do ano passado, após quebrar medida protetiva contra uma vítima.

Mais de 10 vítimas chegaram a procurar a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher (DEDM), em Cuiabá, para denunciar terem sido vítimas de Leonardo.

Um dos relatos mais comuns seria o uso de um perfil falso na rede social para entrar em contato com as vítimas e mandar fotos do pênis.

Leia mais

Juíza revoga prisão de jornalista que enviava foto do pênis para colegas

Jornalista que enviava fotos de pênis para colegas vira réu pela terceira vez

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO