25.03.2020 | 11h21


GERAL / TRAGÉDIA NA ISAAC PÓVOAS

Juiz bloqueia contas de empresas, imóveis e carro de professora que atropelou e matou jovens na saída de boate

Motorista e o pai foram condenado a pagar R$ 805 mil para a família de Ramon Viveiros, uma das vítimas do atropelamento em frente à boate Valley Pub, em Cuiabá


DA REDAÇÃO

Justiça começou a bloquear bens de Rafaela Screnci da Costa Ribeiro, que atropelou três jovens em frente à boate Valley Pub, em Cuiabá, sendo que dois morreram.

A ação de indenização por dano moral e material é movida pela família de Ramon Viveiros, uma das vítimas do atropelamento. A Justiça já determinou o bloqueio de bens no montante de R$ 805 mil de Rafaela e de seu pai, que também é réu no processo pelo fato de ser dele o carro que Rafaela conduzia.

Leia mais: Juiz manda bloquear R$ 805 mil de professora acusada de atropelar e matar jovens

Os bloqueios não alcançaram o valor estipulado na condenação. Foram bloqueados: contas bancárias de uma empresa com capital social de R$ 110 mil e da empresa Digo Grill; dois imóveis e um veículo Nissa Kicks.

A decisão é do juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá.

O acidente

O atropelamento que matou Ramon Alcides Viveiros, 25, e Myllena de Lacerda Inocêncio, e ainda deixou Hya Giroto Santos, 21 anos, gravemente ferida, ocorreu por volta das 5h50 do dia 23 de dezembro de 2018. Rafaela conduzia um Renault Oroch pela avenida Isaac Póvoas, quando o trio tentava atravessar a via. Rafaela foi denunciadoa por homicídio doloso, por dirigir sob efeito de álcool, acima da velocidade permitida.

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Vera  25.03.20 12h43
Pelo que sei esses bens são do pai dela

Responder

1
0
Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO