10.01.2015 | 17h50


GERAL / PARQUE MÃE BONIFÁCIA

Gerente diz que frequência de pessoas no local dobra nas férias e alerta para crimes

'Gente fazendo sexo, de dia e de noite lá, isso é coisa comum', revela gerente


DA REDAÇÃO

Dobrou, este mês, o número de frequentadores do Parque Mãe Bonifácia, maior área verde urbana preservada de Cuiabá – são 72 hectares de cerrado. Nesse mês de janeiro, conforme a direção do Parque, cerca de 20 mil pessoas devem passar por ali, sendo 600 por dia e 4 mil nos finais de semana.

Com essa frequência de visitantes, que geralmente vão ao Parque para fazer caminhada, há regras que devem ser seguidas, em prol da segurança das pessoas e dos animais, para garantir a preservação da flora e até mesmo para evitar ocorrências policiais.

Com o horário de verão, desde outubro do ano passado até fevereiro próximo, o Parque está aberto desde as 6h até 19 horas, ou seja, 1 hora a mais do que fora do período especial.

O gerente do Parque, Coronel Celso Benedito, pede que os visitantes respeitem esse horário, porque é à noite que os bichos, após o dia todo reclusos na mata, têm paz para sair e procurar alimentos. Quase sempre não são vistos, mas vivem no Parque Mãe Bonifácia 98 espécies de pássaros, capivaras, tatus, cotias, tamanduás e macacos de várias espécies, principalmente o sagui. “Isso aqui é uma unidade de conservação e priorizamos a vida da flora e fauna. Ter gente circulando à noite atrapalharia os animais”, destaca o coronel Benedito.

“Além disso, cruzar as portas do Parque, quando já estão fechadas, é crime”, diz ele. Tanto é que a Polícia Militar está autorizada a fazer abordagens se flagrar infratores, assim como a segurança privada, terceirizada pelo governo para dar suporte na região, onde ocorrem delitos. Foram 13 furtos registrados entre dezembro e janeiro. “Ainda não tivemos tentativa de estupro ou estupro propriamente, embora se comente muito que isso ocorra no Parque, mas gente fazendo sexo, de dia e de noite lá, isso é comum”, reclama o gerente. Segundo ele, este já foi um problema maior, quando principalmente gays, mas também casais heterossexuais, usavam a mata como motel ao ar livre. “O dia amanhecia e a gente encontrava preservativo para todo lado, perto dos brinquedos e nas pistas, mas conseguimos reduzir bastante isso com policiamento”.

Além do horário de funcionamento, outra regra que irrita alguns frequentadores é a proibição de cães e bicicletas. Os cães, porque algumas raças representariam risco real e as bikes, porque já houve acidentes antes e a gerência resolveu evitar novos episódios. Só menores de 7 anos podem pedalar, usar skate e patins.

Na estrutura existente no parque, somente o Mirante – de 11 metros e 22 centímetros, está interditado desde maio de 2014 e será demolido, mas sem data prevista ainda.

O gerente explica que não há nenhuma programação cultural no espaço para contemplar os visitantes e alega que é porque se trata de uma unidade de conservação. Uma atividade cultural, na opinião dele, poderia atrair muita gente e, com isso, lixo e outros problemas ambientais. 

Nessa época de chuvas, vale destacar ainda que os bichos peçonhentos circulam mais. O alerta vai para cobras, aranhas e escorpiões, quem, sim, têm de monte no parque. Todo cuidado é pouco, devido à picada venenosa. No entanto, nunca houve ataques registrados.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

benedito costa  11.01.15 19h30
Coronel, já imaginou fazendo sexo alí e no monte de um formigueiro e vários tamanduás por perto? o que será que pode acontecer?

Responder

0
0
Marlon Cesar  11.01.15 12h57
E o lago no parque heim...ninguém fala disso, a imprensa em geral não toca nesse assunto, mas sabemos que a construção do lago no parque estava programado como a terceira etapa da construção do parque. Esse parque nunca vai ficar completo enquanto não tiver o lago.

Responder

0
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO