11.09.2019 | 17h50


CONTRA PRIVATIZAÇÃO

Funcionários dos Correios entram em greve e 600 mil encomendas não são entregues em MT

De acordo com o Sintect, apenas 30% dos profissionais estão trabalhando para atender todo o Estado.


DA REDAÇÃO

Os servidores dos Correios de Mato Grosso entraram em greve geral, na tarde desta quarta-feira (11), aderindo ao movimento nacional. A parada foi definida em assembleia feita em todos os Estados, na noite da última terça-feira (10).

Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores dos Correios de Mato Grosso (Sintect-MT), Douglas Bernardo,  apenas 30%, o exigido por lei, estão trabalhando. Com a parada de 70% dos funcionários, 600 mil correspondências deixaram de ser entregues no Estado, somente no primeiro dia da greve.

A pauta foi definida após os funcionários se posicionarem contra a privatização dos Correios, medida proposta pelo Governo de Jair Bolsonaro (PSL).

"Nosso levante é pela não privatização dos Correios, nos posicionando contra a proposta do Governo Federal", conta o diretor.

Outra reivindicação é a regularização do contrato de trabalho.

"Estamos sem acordo coletivo de trabalho. A empresa sorrateiramente fez uma proposta de retirada dos direitos que temos, então estamos sem o acordo coletivo", argumenta Douglas.

A empresa propôs aumentar 0,8%, ao ano, do salário dos servidores, no entanto, iria retirar benefícios como vale-alimentação e a inclusão de pai e mãe no plano de saúde. Na somatória geral, conforme o sindicato, há uma perca de 9% do poder de compra dos trabalhadores.

Em Mato Grosso, segundo dados do Sintect, são 1.300 funcionários dos Correios, sendo 1.100 filiados ao sindicato.

Privatização

No entanto, o Governo Federal afirma que os Correios sempre foi um local de aparelhamento político. Em uma das entrevistas, concedida no mês passado, o presidente Jair Bolsonaro declarou “que o mensalão começou com eles” e que os Correios foi saqueado, como no fundo de pensão. 

“Os funcionários perderam muito, tiveram que aumentar a contribuição para honrar”, disse o presidente, na ocasião.

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Tiago  11.09.19 20h48
600 mil encomendas continuam a não ser entregue... Ou seja, não muda nada...

Responder

0
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER