30.08.2015 | 08h00


CAMPEÃ DE RECLAMAÇÕES

Energisa é a mais denunciada em 2015 pelo consumidor ao Procon; cobrança abusiva é o maior registro

Das reclamações contra a Energisa, 2.894 são por cobrança indevida/abusiva. Deste tipo, só no último mês, foram 506 registros. Outras reclamações são de reajuste abusivo e serviços mal executados


DA REDAÇÃO

De 1 de janeiro a 24 de outubro, o Procon de Mato Grosso registrou 3.343 reclamações de clientes contra a Energisa, concessionária do setor de energia elétrica local, e que se consolida na primeira posição entre prestadores de serviços mais denunciados.

Das reclamações contra a Energisa, 2.894 são por cobrança indevida/abusiva. Deste tipo, só no último mês, foram 506 registros. Outras reclamações são de reajuste abusivo e serviços mal executados.

A CAB, concessionária de água e esgoto da capital, que assumia esta liderança negativa no Procon de MT passou para o segundo lugar. A telefonia segue em terceiro.

Das reclamações contra a Energisa, 2.894 são por cobrança indevida/abusiva. Deste tipo, só no último mês, foram 506 registros. Outras reclamações são de reajuste abusivo e serviços mal executados.

A Energisa diz que só 5% dessas reclamações são procedentes e que representam um universo pequeno dentro da clientela da empresa que é grande (1 milhão e 300 mil consumidores). Diz ainda que colocou três linhas específicas para fazerem atendimento direto do Procon.

A empresa diz ainda que os reajustes desta ano impactaram bastante na conta e que consumidores não associam isso com a oscilação de valores.

Outra coisa que a empresa diz é que é preciso economizar energia, porque a geração está cara e boa parte dela focada em usina térmica e não hidrelétrica.

A tendência nos próximos três meses é de um aumento mensal médio de 17,23% e conta nessa simetria também mais altas.

O que os reclamantes questionam, no entanto, não é o valor simplesmente. Boa parte das pessoas reclama por exemplo que “não para em casa” e mesmo assim a conta oscila para mais e para menos, aparentemente, sem relação com a mudança de hábito.

A Energisa reforça que, mesmo sem mudança de hábito, os reajuste deste ano estão fazendo muita gente levar susto com a conta.

A tendência nos próximos três meses é de um aumento mensal médio de 17,23% e conta nessa simetria também mais altas.

A principal causa do aumento é a climatização. “Ainda que o consumidor não mude nenhum hábito, o consumo pode crescer neste período. Isso porque alguns equipamentos tendem a ser mais exigidos. Quando está muito quente, o compressor de aparelhos de aparelho de ar-condicionado, geladeiras e freezers fica ligado quase o tempo todo, para garantir que a temperatura interna seja a desejada”, explica o diretor de Serviços Comerciais da Energisa, Oscar Cezar Fernandes.

O Procon ressalta que a Energisa demora para negociar com os reclamantes. O gerente de fiscalização, Ivo Firmo, destaca que muitos casos ainda vão a audiência, porque a empresa em um primeiro momento não reconhece a falha. Ainda segundo ele, muitos clientes perdem a causa porque não conseguem provar que não gastaram o que é cobrado na conta.

Os bancos, conforme Ivo, já estão à frente nisso, facilitando a negociação, por telefone mesmo, ao invés de desgastar o denunciante, com idas e vindas ao Procon.

"Apesar das dificuldades no processo, é direito de todo cliente registrar a reclamação junto ao Procon", destaca Firmo, ressaltando que, se há desgate para o reclamante, não há dúvidas de que há também desgate para o a empresa denunciada.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO