17.09.2019 | 14h40


AVIÃO EXPLODIU NO CHÃO

Empresário ligou para irmão pedindo para iluminar pista; Pai e filho morreram

Jair José Demski não tinha nenhuma visibilidade do local já que a aeronave de pequeno porte não possuia iluminação para voos noturnos.


DA REDAÇÃO

O empresário Jair José Demski, 61 anos, ligou para o irmão na última segunda-feira (16) pedindo que fosse iluminada a pista de pouso, no Sítio “São Tontonho”, em Guarantã do Norte (718 km de Cuiabá).

Segundo a Polícia Judiciária Civil (PJC), o empresário teria feito o pedido, pois, não conseguia enxergar o local para realizar o pouso, já que pilotava uma aeronave de pequeno porte RV-10, que não pode ser usada em voos noturnos.

Minutos após o pedido, o avião caiu e explodiu. João Anderson Demski, de 29 anos, filho de Jair, era passageiro do avião e também morreu. 

Na queda, as vítimas foram arremessadas para fora do avião, porém, não há informações sobre o que teria causado o acidente. Uma equipe do Corpo de

Os investigadores da PJC trabalham com a hipótese de que o empresário não conseguiu visualizar a pista, que não possuía balizamento, e veio a cair 2 km de distância do local de parada.

Bombeiros controlou e extinguiu as chamas.

Os investigadores da PJC trabalham com a hipótese de que o empresário não conseguiu visualizar a pista, que não possuía balizamento, e veio a cair 2 km de distância do local de parada.

Dois aviões de propriedade de Jair decolaram de Sinop, com destino a Guarantã. Um era pilotado pelo empresário e outro pelo piloto José Martins Severo.

O segundo avião posou normalmente na pista e não se envolveu no acidente.

Conforme a PJC o irmão de Jair relata que em contato anterior, por telefone, com a vítima, não houve queixa de pane ou defeito na aeronave.

A Força Aérea Brasileira (FAB) e a PJC investigam o caso.

Trajetória 

Em nota, o prefeito de Guarantã, Érico Stevan destacou que o dono da Jade Engenharia é um dos pioneiros na área de engenharia civil da cidade e decretou três dias de luto.

“Seus trabalhos, tanto na área da engenharia quanto do empreendedorismo, foram de extrema relevância para o desenvolvimento do Município”, diz trecho da publicação.

Ao determinar o luto oficial o gesto considerou “o consternamento geral da comunidade guarantanhense e o sentimento de solidariedade, dor e saudade que emerge pela perda de cidadãos de bem”, afirma. 

Jair atuava na área de construção civil, no setor de pré-moldados. Sua matriz ficava em Guaratã, e ainda tinha filiais em Itaituba, Novo Progresso e Santarém (PA).











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER