11.05.2019 | 07h00


TRANSPORTE PÚBLICO

Emanuel diz que licitação prevê ônibus híbrido circulando em Cuiabá

Segundo o prefeito, o veículo é viável e os detalhes do modal constam no estudo técnico para implantação do novo sistema de transporte coletivo.


DA REDAÇÃO

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) afirmou que uma das inovações do novo edital do transporte público urbano é o ônibus híbrido, que pode funcionar à base de eletricidade e também com óleo diesel. Segundo o gestor, o veículo é muito viável tanto do ponto de vista econômico quanto ecológico, com o menor uso de combustível fóssil.

Os detalhes do modal constam no estudo técnico para implantação da licitação do transporte coletivo, que foi entregue nesta semana pelo prefeito à Comissão Especial de Trabalho, que será responsável por analisar o estudo técnico e acompanhar todos os encaminhamentos contidos na próxima fase que é a licitação para escolha da nova empresa  de ônibus para operar na Capital. 

O grupo é formado por membros das Secretarias de Gestão, Mobilidade Urbana e da Procuradoria Geral do Município. 

“Com a licitação eu trago a transformação para os ônibus. Quero carros com menor tempo de uso possível. Quero carros novos e todos com ar-condicionado, com Wi-Fi, carregador de celular. Quero testar o ônibus híbrido, aquele elétrico com diesel. Com a licitação eu consolido esse processo de transformação do transporte público de Cuiabá”, reforçou Emanuel.

"Quero testar o ônibus híbrido, aquele elétrico com diesel. Com a licitação eu consolido esse processo de transformação do transporte público de Cuiabá”, reforçou Emanuel.

Embora concorde que o valor da passagem de ônibus (R$ 3,85) seja caro, pela qualidade dos veículos, Emanuel ponderou que o licitação é a ultima grande etapa de transformação do transporte público da Capital.

“Já começamos esse processo de melhorias e investimentos na área da mobilidade urbana, especificamente no que diz respeito ao transporte coletivo com a colocação de contêineres, estações, abrigos e pontos de ônibus modernos, novas estruturas e com todo conforto para o usuário que utiliza o transporte todos os dias, seja para o trabalho ou até mesmo momento de lazer. Com essa etapa da licitação, concluímos o ciclo da humanização na mobilidade urbana”, enfatizou o gestor.  

Destaca que com o certamente abrirá disputa para que empresas de ônibus mais sofisticadas e modernas atuem no setor.

O contrato de concessão do transporte público urbano da Capital não é renovado desde 2003.

A situação é alvo de uma auditoria do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE).

O órgão observa que o contrata foi firmado nos anos 2000 e desde então vem sendo prorrogado. Isso, no entendimento do TCE, dá margem para muitas irregularidades, tendo em vista que a realidade de Cuiabá de 2019 "é totalmente diferente do cenário de 2003, quando o contrato foi assinado".

Dessa forma a auditoria pretende checar os seguintes itens do contrato: idade média da frota, que deve ser entre 3,5 a 4,5 anos; prestação de contas pela Associação dos Transportadores Urbanos (MTU) e a Agência Reguladora (Arsec); valor da arrecadação do sistema, acompanhado do extrato bancário; quantidade de veículos adaptados; divulgação do itinerário, divulgação do horário dos veículos; cobertura dos pontos de ônibus; valor do saldo para a garantia operacional do sistema; prestação de contas de natureza contábil; entre outros.

Leia mais

Emanuel reconhece que R$ 4,10 é caro e qualidade dos ônibus é ruim

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO