25.01.2020 | 07h50


BOICOTE NA BOMBA

Economista: Cuiabano tem que parar de usar etanol para forçar baixa no preço

O litro do combustível custa R$ 3,19 em Cuiabá. A alta do preço já é maior que inflação média de 4,31%.Pesquisas apontam que o etanol já subiu mais de 5%.


DA REDAÇÃO

O preço do litro do etanol vendido nos postos de Mato Grosso vem sofrendo alta, desde dezembro de 2019. Com o último reajuste, o combustível tem sido vendido em até R$ 3,19 na Capital e R$ 3,25 no interior de Mato Grosso. Alguns especialistas apontam que a solução é que a população pressione os postos de combustíveis para que o preço volte a cair.

O economista Edisantos Amorim disse ao , que os mato-grossenses devem que contribuir para que os preços do etanol voltem a se estabilizar.

“Não abastecendo. No caso de combustível, se a pressão por ofertar persistir por um período mínimo de uma semana é possível que surta efeitos positivos, dando uma trégua na alta dos preços”, explica.

O aumento foi impulsionado por reajustes nas usinas e distribuidoras, custos operacionais e mudanças no cálculo do ICMS.

A elevação de preço do combustível gera um efeito casto na vida do cidadão, pois aumenta o preço do transporte, consequentemente dos alimentos entre outros setores, pesando os orçamentos familiares.

A subida no setor já é maior que inflação média de 4,31%, pesquisas apontam que o etanol já subiu mais de 5%.

Crise

Na última semana, o Estado de Mato Grosso figurou a 6ª colocação no ranking de etanol mais caro do país. Diante disso, e de outros aumentos, a população cuiabana organizou uma manifestação para o próximo domingo (26), às 8h, com saída enfrente ao Shopping Pantanal.

Eles protestam contra a reforma tributária, com o intuito de chamar atenção do Governo Estadual, para que reduza o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Governo

O secretário de Estado de Fazenda (Sefaz) Rogério Gallo declarou que o aumento no preço do litro do etanol, que atingiu o valor de R$ 3,19 nesta semana, não é apenas o reflexo do aumento do ICMS aprovado pela lei que reinstituiu os incentivos fiscais no Estado.

“Em Mato Grosso, a alíquota do etanol é 25%. Tínhamos o incentivo que reduzia a alíquota para 10,5%. Mato Grosso do Sul pratica 25% e Goiás 17%. Diminuímos um pouco a renúncia fiscal, aumentamos dois pontos percentuais àquilo que se paga de ICMS sobre o etanol que era vendido a R$ 2,91, em média, no mês de dezembro. Quando você coloca 2% sobre R$ 2,91 dá quase R$ 0,06. Então, deveria ter ido para R$ 2,97”, esclareceu.

Ele comentou que o aumento do etanol também é resultado de outras regras de mercado.

“Não cabe à Secretaria de Fazenda, o governo, ir buscar as razões. Isso é preço, é mercado, é livre concorrência, é o consumidor se não valer a pena pegar outro combustível, abastecer com outro combustível”, ressaltou.

 

 

 

 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Ronaldo Adriano Mendonça  26.01.20 22h25
Se não abastecer com álcool vamos abastecer com água, porque pagar 5 reais no litro da gasolina também não dá. Ademais, a culpa é tanto do governo do Estado, quanto do governo federal que estão acabando com Brasil e taxando tudo. Votam em incompetentes, com certeza iria dar nisso que vivemos hoje.

Responder

1
0
alexandre  25.01.20 12h56
Tem que cair o governo, está insustentável, a crise vai piorar, ninguém compra ou vende, tá tudo caro por culpa do ICMS.. vai aumentar o preço da gasolina..

Responder

17
1
alexandre  25.01.20 12h54
Tem que cair o governo, está insustentável, a crise vai piorar, ninguém compra ou vende, tá tudo caro por culpa do ICMS..

Responder

13
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO