19.05.2016 | 11h30


GERAL / RGA EM PAUTA

Deputados propõem pagamento de 7,5% em maio e 3,77% em junho

O presidente do Sinterp, Gilmar Brunetto, prevê que a proposta de parcelamento não seja aceita pelas bases dos sindicatos, uma vez que os servidores exigem o pagamento integral do RGA ainda em maio.


DA REDAÇÃO

Os deputados que compõem a comissão de intermediação do pagamento do reajuste geral anual (RGA) se reuniu nesta manhã de quinta-feira (19) com os servidores públicos do Estado e propôs o parcelamento da reposição. A proposta prevê que o governo pague, neste mês de maio, 7,5% do RGA e, outros 3,77% em junho.

A comissão encaminhará a proposta para o governo ainda nesta semana, assim que Taques voltar de viagem.

Agora, os sindicalistas devem levar a proposta para suas bases e esperar o retorno do governador Pedro Taques (PSDB), que está em viagem para os Estados Unidos, para que haja uma segunda rodada de negociação, prevista para a próxima segunda-feira (23). A comissão encaminhará a proposta para o governo ainda nesta semana, assim que Taques voltar de viagem.

O presidente do Sinterp, Gilmar Brunetto, prevê que a proposta de parcelamento não seja aceita pelas bases dos sindicatos, uma vez que os servidores exigem o pagamento integral do RGA ainda em maio.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Pública de Mato Grosso (Sinterp-MT), Gilmar Brunetto, certamente a proposta de parcelamento não será aceita pelas bases dos sindicatos, uma vez que os servidores exigem o pagamento integral do RGA ainda em maio.

Segundo Brunetto, o indicativo de greve para a próxima terça-feira (24) continua valendo, o que aumenta a pressão para que os deputados consigam convencer o governo a pagar o reajuste. Uma outra alternativa apresentada pelos sindicalistas é a redução do duodécimo dos poderes e o “fim dos privilégios”, conforme pontua Brunetto.

A proposta é defendida por alguns deputados, mas desde que o corte de orçamento ocorra em todos os poderes, alegando que a Assembleia foi a instituição que menos recebeu aumento em seu orçamento. 

Após apresentar a proposta de parcelamento, o deputado estadual Emanuel Pinheiro, líder do PMDB na Assembleia Legislativa de Mato Grosso ALMT), ameaçou trancar a pauta da Ordem do Dia na Casa de Leis enquanto o governador Pedro Taques não resolver a questão com os servidores.

 

 

 

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

alexandre  19.05.16 12h26
O governo dá calote e quer acionar a justiça ? 24/05 é paralisação, devo não nego pago quando puder e se quiser, a resposta foi dada Taxe os fávaros e baroes do agronegócio e evitem a greve, os servidores também irão judicializar a lide. não há proposta do governo em agosto de Deus , vai pagar pra ver, O Estado vai parar e principalmente a arrecadação. taxe o agronegócio que aumenta a base de calculo da LRF salvando o governo, a arrogância do Taxis e a incapacidade de negociação do nada Modesto levaram ao emparedamento. eles precisam rever os conceitos de negociação e conciliação, imposição é exatamente o que o governo faz, diante disso os animos se exaltam, não tenho dinheiro, não tenho como pagar, isso já sabemos apontem soluções negociadas, o servidor não pode ficar com ônus de 11,27 % de inflação para sojicultor bilionário não pagar imposto e desfiliar na lista de FORBES. A greve vai ser longa.... o confronto é inevitável a policia não vai estar do lado do governo dessa vez...

Responder

3
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO