10.07.2015 | 11h55


GERAL / SUPOSTA NEGLIGÊNCIA

CRO vai investigar Centro Odontológico do Povo por morte de cliente que extraiu dente

Vítima sentiu fortes dores e teve inchaço no rosto, tentou se internar, mas só conseguiu quando era tarde demais. A clínica onde ela fez o procedimento negou que o inchaço fosse da extração.


DA REDAÇÃO

O Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso (CRO-MT) abriu sindicância para apurar as circunstâncias da extração dentária da gerente de loja de Várzea Grande, Jucilene de França, 31 anos, que faleceu cinco dias depois, com quadro de infecção generalizada.

“Vamos apurar o que acontece e chamar as partes para prestar esclarecimentos. Vamos esperar passar o sepultamento para entrar em contato com a família e também com a clínica”, informa Stefanini.

Sindicância é a apuração interna prévia que será feita pela Comissão de Ética do CRO-MT, para verificar se é o caso de abrir processo administrativo com possibilidade de punir o Centro Odontológico do Povo (COP), clínica que realizou o procedimento.

O presidente da Comissão de Ética, o dentista Sandro Stefanini, implantodontista e especialista em dentística, destaca, de antemão, que uma cirurgia dentária é uma intervenção como outra qualquer e exige muitos cuidados e acompanhamento.

“Vamos apurar o que aconteceu e chamar as partes para prestar esclarecimentos. Vamos esperar passar o sepultamento para entrar em contato com a família e também com a clínica”, informa Stefanini.

O CRO-MT tomou conhecimento do caso pela imprensa, uma vez que não foi feita denúncia formal na entidade, que tem o papel de fiscalizar o exercício profissional.

O CRO-MT orienta as pessoas que precisarem de serviços odontológicos a não serem guiadas apenas pelo preço. “Aliás, uma clínica ou consultório dentário não podem fazer propaganda chamando clientela pelo preço”, avisa. “Isso é irregular”.

“Precisa verificar as condições sanitárias das clínica, se usam luvas e outros dispositivos, se tudo é esterilizado, se o profissional tem qualificação”, adverte o conselheiro Stefanini.

“Aliás, uma clínica ou consultório dentário não podem fazer propaganda chamando clientela pelo preço”, avisa. “Isso é irregular”.

Um dentista para atuar precisa passar por faculdade. São 4 ou 5 anos de estudos especializados, para tirar o diploma. Muitos deles continuam estudando para se especializarem em intervenções específicas, como cirurgia dentária.

O CRO-MT fiscaliza o exercício profissional, mas avisa que são mais de 4 mil dentistas em Mato Grosso, o que dificulta o acompanhamento par e passo de todos eles. “Contamos com a vigilância sanitária, que apura as condições de salubridade dos consultórios e com a sociedade que pode e deve denunciar e reclamar”, comenta Stefanini.

O CASO

Jucilene extraiu o dente siso no dia 4, sábado passado, no Centro de Odontologia do Povo (COP), em Várzea Grande, que é uma clínica grande, que tem sede também em Cuiabá, e reconhecida por praticar preços mais baixos que em consultórios.

No dia seguinte à cirurgia, Juciele já acordou sentindo dores e com o rosto inchado. Ela voltou ao COP, conforme registrou a família no boletim de ocorrência policial, mas o dentista que a atendeu disse que a inflamação seria na glândula tireóide e que o quadro clínico dela não tinha relação com a cirurgia no dente.

No atestado de óbito, a causa da morte foi dada por choque séptico.

Ela tentou ainda se internar no Pronto Socorro de Várzea Grande e em um hospital pelo plano de saúde que tinha, mas não conseguiu.

Somente no final da tarde de quarta-feira (8), deu entrada na Santa Casa de Misericórdia, mas já foi tarde demais. Às 23 horas, morreu. No atestado de óbito, a causa da morte foi dada por choque séptico.

Jucilene deixou dois filhos e o corpo dela foi sepultado nessa quinta-feira (9), diante da família chocada e indignada com a perda que poderia ter sido evitada. A família vê negligência.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Nulo  10.08.16 19h18
Ocorreu o mesmo vomigo nao sabia desse acontecimento procurei o cop para estraçao ele fizerao eu fazer um procedimento de mais graças a Deus fui procurei socorro a tempo estou a 7 dias internado e dois dias dos 7 na uti fui submetido a cirurgia de urgencia ainda nao fiz calculos de quanto ja foi gasto aprocimadamente 10.000 mil reais meus sentimentos a familia da moça nao sabia do acontecido pois nao sabia se nao nao tinha passado nem na porta.

Responder

0
0
aparecida  21.03.19 15h13
Fiz tratamento na clinica do povo, extrai o siso, fiz limpeza, graças a Deus não tive nada. e sou diabetica

Responder

1
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO