08.05.2019 | 18h00


R$ 34 MILHÕES A MENOS

Com corte de 30% no orçamento, UFMT pode parar de funcionar em junho

Anúncio foi feito pela reitora Myrian Serra na tarde desta quarta-feira (08), durante reunião com docentes, técnicos e estudantes da instituição


DA REDAÇÃO

A reitora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Myrian Serra informou que se o Ministério da Educação (MEC) manter o corte de 30% de verba, a instituição pode parar as atividades no campus de Cuiabá partir do segundo semestre deste ano, por falta de recursos.

O comunicado foi feito pela reitora durante reunião com representantes docentes, técnicos e estudantis, na tarde desta quarta-feira (08). A informação foi confirmada ao pela assessoria de comunicação (Ascom) da instituição.

O corte do MEC retirou R$ 34 milhões da UFMT para este ano. O recurso basicamente é usado para manutenção da instituição. No caso, com a falta de verba, a UFMT não conseguiria pagar os contratos com as empresas terceirizadas que fornecem serviços como luz, água e alimentação para os estudantes do campus da Capital.

Se o corte for mantido,  a UFMT também não conseguirá honrar com contrato do Restaurante Universitário (RU).

A medida por enquanto afeta apenas o campus de Cuiabá. Os outros quatro campi da instituição – apesar de estarem funcionando no limite do orçamento – não teriam as atividades interrompidas a partir do segundo semestre.

Atualmente, a UFMT oferece 113 cursos de graduação, sendo 108 presenciais e cinco na modalidade à distância (EaD), em 33 cidades mato-grossenses. São cinco Campus e 28 polos de EaD. Na pós-graduação, são 66 programas de mestrado e doutorado. A UFMT atende 25.435 mil estudantes, distribuídos em todas as regiões de Mato Grosso

Em uma escala de 1 a 5, a UFMT tem o conceito 4 na avaliação do Ministério da Educação (MEC) é a 34ª melhor do país.

Ao todo, o Governo Federal bloqueou R$ 5,8 bilhões no orçamento do Ministério da Educação (MEC). A decisão atinge principalmente as universidades federais por todo país.

No Estado, além da UFMT, a Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) - que tem um orçamento de R$ 70,1 milhões - teve R$ 31,8 milhões bloqueados pelo MEC.

Leia mais

Após MEC cortar recursos, UFMT e Instituto Federal ficam sem R$ 65 milhões em 2019

 

 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

MARIA TAQUARA  08.05.19 21h01
estava nas leituras na internê e vim colar algo de uma matéria relacionada: Título: Alemanha anuncia 160 bilhões de euros para universidades e pesquisa... Trecho: "valor significa aumento médio anual de 2 bilhões de euros nos investimentos em ensino superior e centros de pequisa durante o período de 2021 a 2030. "Estamos garantindo a prosperidade de nosso país", diz ministra.." O orçamento retirado das universidades brasileiras será cobrado com o tempo, com o atraso no desenvolvimento da sociedade.

Responder

4
3
MARIA TAQUARA  08.05.19 20h41
Eu só consigo ver o ataque às instituições de ensino como algo ideológico! Independente da qualidade Educação é responsabilidade do governo, se vai algo mal não dá de apontar culpa exclusiva nas instituições... a UFMT é foda, já teve curso de medicina mais bem avaliado do país... aliás, as universidades federais são foda, concentram os melhores cursos e pesquisas do país! Estudei em duas federais e tenho orgulho da minha formação. Não tenho dificuldades profissionais ou sociais.

Responder

4
2
João  08.05.19 19h00
Gostaria de saber qual projeto relevante a UFMT produziu nos ultimos 20 anos para justificsr esse gasto absurdo que ela dá.. alias tds as UFS dao.. deviam acabar e o gov usar essa grana toda no fundamental..

Responder

7
9
MARIA TAQUARA  08.05.19 21h01
tá afim de ir lá na UFMT e descobrir? ou só pela tela do computador mesmo?

Responder

4
2
Matéria(s) relacionada(s):

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER