07.11.2019 | 11h00


QUE NOJO

Cliente denuncia venda de frango podre no Extra de Cuiabá; veja fotos

O caso foi divulgado na segunda-feira no grupo Aonde Não Ir em Cuiabá Original, no Facebook.


DA REDAÇÃO

Uma internauta divulgou na última segunda-feira (04), no grupo "Aonde Não Ir em Cuiabá Original", na rede social Facebook, sua experiência frustrante ao realizar compras no Hipermercado Extra, na Avenida Fernando Corrêa da Costa. A cliente comprou uma bandeja de peitos de frango, mas ao abrir, em sua casa, se deparou com o produto podre.

De acordo com a cliente, por fora, a carne aparentava estar normal, mas ao abrir a embalagem sentiu o mau-cheiro. Na foto é possível ver que a parte debaixo do frango estava ficando roxa e esverdeada.

“Como podem ver, aparentemente, estava bom. Quando cheguei em casa a parte de baixo estava nesse estado, sem falar no cheiro podre quando abri. Fica minha indignação pela total falta de compromisso e higiene com os produtos ofertados aos clientes”, declarou a consumidora.

“Já comprei vários carnes lá e quando cheguei em casa estavam todas estragadas, da mesma forma”, denunciou uma internauta.

A denúncia, até a publicação desta reportagem, já tinha mais de 150 comentários e majoritariamente negativos. Uma internauta disse que já passou pelo mesmo problema.

“Já comprei vários carnes lá e quando cheguei em casa estavam todas estragadas, da mesma forma”, explicou.

“Extra é complicado comprar carnes de bandeja (eles têm um péssimo controle de qualidade)”, argumentou outro cliente.

Outro lado

 O setor de carnes e aves do Extra informou que entrou em contato com a cliente, ainda na segunda-feira (4), pelas redes sociais. A intenção era fazer a troca do produto ou devolução do dinheiro. Ao #repotermt foi dito que o estabelecimento não obteve retorno da consumidora. O lote de frango comprado pela internauta foi retirado de circulação.

Código de Defesa do Consumidor

De acordo com a Lei do Consumidor, no artigo 20, o fornecedor de serviços responde pelos vícios de qualidade que os tornem os produtos e serviços impróprios para o consumo, ou, o faça perder valor de mercado.

Sendo assim, a legislação prevê que o consumidor pode requerer a reexecução do serviço, sem custo adicional, quando cabível; a reinstituição imediata do valor pago, monetariamente atualizada, sem prejuízos eventuais de perdas e danos; e o abatimento proporcional do preço.

Além disso, no caso de alimentos, se o cliente ingerir algo estragado e sofre intoxicação alimentar ou doença derivada do produto, a empresa deve pagar todas as despesas médicas.

 

Galeria de Fotos:
Crédito:
Crédito:










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO