05.09.2015 | 16h15


NAUFRÁGIO

Chalana afunda com 30 pessoas a bordo no Lago de Manso

A Marinha informou que também não é possível saber se o comandante do ‘Flutuante’ era habilitado e nem se a embarcação estava irregular.


DA REDAÇÃO

Uma embarcação do tipo chalana, também conhecida como ‘Flutuante’ afundou com 30 pessoas, no Lago do Manso, próximo a Chapada dos Guimarães (66 km de Cuiabá). O naufrágio aconteceu no início da tarde, deste sábado (5).

Segundo informações da Marinha, duas equipes estão resgatando parte das pessoas que conseguiram nadar até uma praia. Não há registros de mortos e nem de feridos.

A Marinha informou que também não é possível saber se o comandante do ‘Flutuante’ é habilitado e nem se a embarcação estava regular.

Por isso, o comandante da Delegacia Fluvial de Cuiabá, capitão de corveta Alexandre Nonato, deve abrir um inquérito para apurar as circunstâncias do naufrágio.

AFOGAMENTOS

Nos últimos meses o Lago do Manso foi palco de várias mortes por afogamento. Somente em janeiro deste ano, dois banhistas morreram afogados.

Em um dos casos, o jovem Matheus Henrick Izaqui Tumelero, de 18 anos,  morreu afogado na Ilha do Amor. Segundo informações da Marinha, testemunhas disseram que Matheus estava nadando próximo de uma praia, quando gritou por socorro ao ser arrastado por uma correnteza. Em seguida, outros banhistas acionaram os militares que começaram as buscas. Mateus não usava colete salva-vidas no momento da morte.

Já em outubro de 2014, o empresário Thiago Rockenbach, de 32 anos, também morreu afogado nas águas do Lago do Manso. (LEIA MAIS AQUI)

No organismo de Thiago foram encontrados substâncias com aspecto de massa compatível com cocaína, além de álcool.

Ele estava navegando com duas amigas em uma lancha, quando uma delas decidiu andar de jet ski. Porém, diante do mau tempo, tiveram que abortar o passeio. Com isso, o empresário tentou prender a moto aquática na lancha. No mesmo momento, uma das jovens caiu na água ao tentar passar do jet ski para o barco. Percebendo que a jovem estava sendo levada pelas ondas, a amiga que estava no barco pulou na água para ajudá-la.

Segundo as duas, Thiago ainda tentou ligar a lancha para tentar se aproximar das garotas, mas não teve sucesso. Em seguida, ele pulou na água sem colete, segundo a polícia, não sendo mais visto. As meninas nadaram até uma ilha e foram resgatadas por outros banhistas.

O corpo só foi localizado quatro dias depois. Em um exame de alcoolemia e toxicológico feito pelo Instituto Médico Legal (IML) apontou que a vítima estaria bêbado e drogado. Já que no organismo foram encontrados substâncias  com aspecto de massa compatível com cocaína, além de álcool.

Reprodução

thiago

O corpo só foi localizado quatro dias depois. Em um exame de alcoolemia e toxicológico feito pelo IML apontou que a vítima estaria bêbado e drogado. Já que no organismo foram encontrados substâncias.

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO