28.01.2020 | 07h10


ROSTO DESFIGURADO

Bala está a milímetros da coluna de mulher atacada por PMs; lábios ficaram ‘dilacerados’

Informação consta no depoimento da mãe da vítima, que conversou com uma técnica em raio-x do Hospital Regional de Sorriso.


DA REDAÇÃO

Exames médicos mostram que a bala alojada no pescoço de Elizângela de Moraes, 44 anos, ficou a milímetros de sua coluna o que poderia ter a deixada para sempre numa cadeira de rodas. Outro tiro atingiu a boca da vítima – quebrando maxilar e vários dentes.

Os autores dos disparos são policiais militares, que se envolveram em uma confusão numa espetaria de Sorriso (420 km de Cuiabá), no dia 17 de janeiro.

A mãe da vítima disse, em depoimento obtido em primeira mão pelo , que técnicos do Hospital Regional de Sorriso disseram que a mulher teve muita sorte ao sobreviver.

“Que foram quebrados muitos ossos do maxilar de Elizângela, que devido estar utilizando aparelho, a mesma não perdeu mais dentes. Que a técnica do raio-x afirmou a depoente que Elizângela teve muita sorte, porque a bala ficou alojada próxima da coluna, milímetros da coluna”, disse a mãe da vítima, em depoimento à Polícia Civil.

Ela estava em um ponto de ônibus da cidade quando os soldados da Polícia Militar, identificados como Ézio Sousa Dias e Weberth Batista Ribeiro, se aproximaram e passaram a agredir a mulher e o namorado dela.

Os soldados estavam envolvidos em discussões momentos antes em uma espetaria, onde casal também estava.

No meio das agressões, um dos policiais atirou e acertou dois tiros em Elizângela, sendo um na cabeça e outro no pescoço. Ela passou por procedimentos cirúrgicos após o ataque e os policiais acabaram presos.

Conforme noticiado pelo , Elizângela contou para a irmã no hospital que teve medo de morrer e que se afogou no próprio sangue.

Leia mais: Vítima diz que se afogou com próprio sangue e teve medo de morrer

O caso é investigado pela Polícia Civil de Sorriso.

 

 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Júlia  28.01.20 11h11
Quem não quer ter problema com a polícia é só não andar com vagabundo.

Responder

0
5
Tulio  28.01.20 11h10
Agora ela e o namorado são santos. É sempre assim no Brasil. Quantas passagens tem esse namorado dela? Cadê os verdadeiros jornalistas para fazer esse levantamento e subsidiar melhor os leitores.

Responder

0
4
Davi  28.01.20 11h07
História mal contada. Atacada por policiais? Num. Sei não.

Responder

0
4

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO