17.02.2020 | 15h55


GERAL / UFMT

Após invasão e vandalismo, Hospital Veterinário volta a atender na quarta

Diretoria informou que a unidade retoma os trabalhos sem alteração na agenda e as consultas marcadas para esta segunda e terça-feira serão remarcadas


DA REDAÇÃO

A diretoria do Hospital Veterinário (Hovet), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), que teve a ala do Centro Cirúrgico invadida e vandalizada durante a madrugada desse domingo (16), na avenida Fernando Corrêa da Costa, bairro Vila do Ipase, em Cuiabá, informa que o atendimento à população será reestabelecido a partir de quarta-feira (19).

O Hospital ressalta que todos os atendimentos marcados para esta segunda e terça-feira, dias 17 e 18, serão remarcados e a agenda de quarta-feira (19) não será alterada.

A unidade de saúde animal ficará de portas fechadas durante esses dois dias para que seja reorganizado o local, que ficou revirado, além do trabalho de todos os órgãos competentes que investigam o caso.

Segundo a assessoria da UFMT, ainda não há informações sobre a identidade dos bandidos e nem se alguma coisa foi furtada do local. A equipe do hospital fará um levantamento geral de todo maquinário e materiais de uso na rotina da unidade, como objetos e medicamentos, para confirmar se nada foi levado.

Uma das janelas dos fundos da unidade de saúde estava quebrada, onde provavelmente os vândalos usaram para invadir o local que tinha, do lado de fora, materiais cirúrgicos espalhados.

A Polícia Federal foi acionada, esteve no local e investiga o caso. Veja reportagem completa e fotos aqui.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO