28.08.2015 | 11h15


GERAL / REVOLTA ACADÊMICA

Alunos da Unic fazem paralisação contra ensino ruim e ofertas para 'ex-univaguianos'

Estopim para este movimento foi estratégia de atrair alunos da Univag dando descontos de 50%, além de bolsas de pós-graduação, entre outros benefícios enquanto os alunos da casa pagam o dobro e sofrem com materiais precários.


DA REDAÇÃO

Os alunos da Universidade de Cuiabá (Unic) decidiram fazer uma paralisação geral de todos os cursos, dia 2 de setembro, próxima quarta-feira, para reclamar de uma série de insatisfações, como salas superlotadas, ensino precário e falta de instrumentais pedagógicos atualizados.

A data foi escolhida propositalmente, para coincidir com a visita dos representantes do Ministério da Educação (MEC) na instituição, que vêm à Mato Grosso com o intuito de avaliá-la.

Conforme o Diretório Central dos Estudantes (DCE), que está articulando os demais campi da capital e do interior, para garantir uma boa adesão, a data foi escolhida propositalmente, para coincidir com a visita dos representantes do Ministério da Educação (MEC) na instituição, que vêm à Mato Grosso com o intuito de avaliá-la.

O estopim para este movimento foi uma estratégia usada pela Unic para atrair mais estudantes. A universidade ofereceu desconto de 50% na mensalidade no curso de Odontologia, uma pós-graduação gratuita e isenção total aos alunos de outra instituição, que precisam repor disciplinas em que reprovaram. As vantagens foram ofertadas a matriculados na Universidade de Várzea Grande (Univag) e conquistou 130 universitários que fizeram a transferência.

Para atrair estudantes da Univag a Unic ofereceu 50% de desconto na mesalidade, pós-graduação gratuita, entre outros benefícios que têm revoltado os estudantes da unidade que permanecem pagando o dobro e sem vantagens

Os alunos de Odonto da Unic, que pagam cerca de R$ 3 mil de mensalidade, ficaram indignados com isso e iniciaram uma mobilização na manhã desta quinta-feira (27). Depois de um ato em frente ao campus da Beira Rio, entraram no auditório, para uma conversa com o diretor da Unic, Fernando Ciriaco, que, na opinião dos estudantes, “falou, falou e não falou nada”.

A Univag, que também foi atingida pela estratégia, que, na reunião com os estudantes Ciriaco disse que tem intenção de sanear financeiramente a instituição, manifestou ao  , que repudia essa "campanha predatória", que faz concorrência desleal. O vice-reitor Flávio Foguel explica que pediram transferência reprovados em disciplinas que impedem aulas práticas na clínica escola. "Como na Unic não tem esse pré-requesito, prefiram migrar para lá", diz Foguel. "Para nós, se não tem formação adequada, não pode atender paciente".

Na noite desta quinta, os alunos, representantes dos demais cursos da Unic, se reuniram novamente e o reitor participou da reunião. “Ele foi lá, sem ser convidado, mas conversamos com ele assim mesmo, só que não responde às nossas reclamações, por isso resolvemos parar mesmo e buscar a maior adesão ao movimento possível”, informa o estudante de Direito Jhonatan Anfilosev, que é da direção do DCE.

“O ensino não tem qualidade e o reitor não está levando nossas questões a sério, ri, zoando da nossa cara, fica mexendo no celular, e isso é que está nos irritando ainda mais. Além disso, estava com seis seguranças, para impedir a entrar de outros representantes de movimentos sociais na instituição”, critica o Anfilosev. Ele destaca que as mensalidades estão muito altas para um retorno pedagógico questionável.

“O ensino não tem qualidade e o reitor não está levando nossas questões a sério,  fica mexendo no celular, e isso é que está nos irritando ainda mais"

Além da paralisação dia 2, haverá um ato público, às 19 hora, em frente à Unic Beira Rio.

Sobre essa crise, a Unic esclarece, por meio de nota à imprensa, que “está atenta às solicitações dos alunos e trabalha assiduamente para construir um ambiente de estudos adequado.

A qualidade de ensino é requisito prioritário na operação da Unic. Com base na premissa de excelência, a instituição realiza estudos para a melhoria contínua de sua infraestrutura.

Os estudantes ainda contam com o acesso a laboratórios e bibliotecas que corroboram a vivência universitária”.

Diz ainda que é “comprometida com a transparência” e se coloca “à disposição para qualquer esclarecimento adicional”.











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

marly rosa de oliveira  29.08.15 09h41
Fico muito triste com isso, na época que estudei, fui aluna do curso de módulos, 1998 quando comecei estudar lá,eu tive excelentes professores, e a maioria era da Ufmt, e davam aulas maravilhosas. Talvez porque a unic estava iniciando como empresa mas, espero que isso que está acontecendo agora mude. Torço muito pelos alunos e claro pelos professores. Nosso país no geral está com uma falta de ética a começar pelos poderes parece um topa tudo por dinheiro. Força , fé alunos e não percam o foco. Que Deus os abençoe.

Responder

0
0
João   28.08.15 15h58
Nada a ver com alunos da UNIVAG. O problema é os outros relatados.

Responder

0
0

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO