24.02.2020 | 06h47


GERAL / RISCO DE MORTE

Agemed é condenada por negar tratamento a cuiabana com doença no sangue

O plano de saúde negou custear o atendimento da vítima sob a alegação de que a cuiabana estava em período de carência.


DA REDAÇÃO

A Agemed S/A foi condenada a pagar R$ 10 mil em dano moral a uma cuiavbana que estava com uma doença na gengiva e corria risco de morte. A indenização, a título de dano moral, foi proferida pelo fato da empresa negar tratara mulher sob a alegação e que ela estava em período de carência com a empresa de planos de saúde.

A decisão é da juíza Sini Savana Bosse Saboia Ribeiro, da 10ª Vara Cível de Cuiabá e foi proferida no dia 14 de fevereiro.

Conforme a vítima, ela foi diagnosticada com plaquetopenia  - doença que caracteriza a baixa quantia de plaquetas no sangue. A mulher ainda apresentava sangramento na gengiva e, conforme o processo, corria risco de de morte

Leia também: Agemed é condenada por negar internar paciente com risco de vida

A empresa se negou a custear o tratamento da vítima alegando que ela ainda estava em período de carência.

Ao analisar o caso, a juíza explicou que era nítido a necessidade de uma internação da paciente devido ao grave estado de saúde apontado em laudo médico.

“Por óbvio que, só pelo fato de ter a necessidade de internação uma Unidade de Terapia Intensiva, entende-se que o estado de saúde do contratante era grave, afinal, as UTI’s são dotadas de sistema de monitorização contínua, que atende pacientes em estado potencialmente grave ou com descompensação de um ou mais sistemas orgânicos, assim, um tratamento intensivo seria única solução para que o paciente tivesse a capacidade de se recuperar”, registrou a juíza.

Ainda conforme a magistrada, nesses casos, em que a vítima corre risco de vida, a ‘carência’ prevista no contrato não deve ser aplicada.

Com esse entendimento, ao condenar a empresa a pagar R$ 10 mil pelo dano moral causado, a juíza ainda determinou que o tratamento em questão seja custeado pela Agemed – além dela ter de pagar as custas processuais que foram fixadas em 15% sobre o valos da condenação.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO