09.11.2014 | 09h44


OUÇA BATE-BOCA

Advogado com deficiência é impedido de usar caixa especial no Atacadão e passa constrangimento



O advogado Shinaider Bonfim Gomide, de 41 anos, foi constrangido e virou chacota entre funcionários do Atacadão – Porto, na manhã deste sábado (8).

Ao RepórterMT, ele contou que é portador de deficiência física por ter um encurtamento em uma das pernas e, após fazer compras, se dirigiu até o caixa especial.

O segurança - identificado apenas como Júnior - questionou o motivo pelo qual ele estava na fila, e exigiu que ele falasse a sua deficiência, já que ele não via.

O cliente, então, apresentou sua Carteira Nacional de Habilitação, onde consta a observação de deficiente. Não satisfeito, o segurança voltou a questionar qual era a deficiência.

Constrangido e com todos na fila olhando, Shinaider pediu para falar com o gerente.

Ao explicar a situação para o gerente, identificado como Gilberto, viu o dirigente defender o segurança.

Gilberto continuou perguntando qual seria a deficiência. Constrangido, o cliente disse que, por ser advogado, conhece seus direitos e não tem obrigação de falar publicamente já que mostrou um documento que comprovasse sua condição.

O gerente respondeu:  "o documento não vale de nada para ele e que todo advogado faz isso". O caso deve ir parar na Justiça.  

OUÇA ÁUDIO DA DISCUSSÃO

OUTRO LADO
A rede lamenta o ocorrido e esclarece que reforçou com seus colaboradores os procedimentos adotados pela empresa, que atendem estritamente ao Código de Defesa do Consumidor e demais legislações vigentes. A companhia informa ainda que distribui a todos os seus colaboradores manuais de conduta e de valorização da diversidade. A empresa reforça seu compromisso em oferecer o melhor atendimento a todos os clientes nos municípios onde atua. 











(15) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Dionisio Fonseca  21.11.14 10h58
CONHEÇO AMIGOS MEUS QUE PASSAM POR ESSE TIPO DE CONSTRANGIMENTO DIARIAMENTE E A MAIORIA DAS EMPRESAS NÃO ESTÃO PREPARADAS PARA RECONHECER DO DIREITO E RESPEITAR ESSA CATEGORIA DE CLIENTES. MESES ATRAS PASSEI PELO MAIOR CONSTRANGIMENTO NO AEROPORTO MARECHAL RONDON QUANDO FUI BUSCAR UM PARENTE QUE CHEGOU DE VIAGEM. MESMO COM A APRESENTAÇÃO DA CARTEIRA DA AMDE E DA CNH COM OS CÓDIGOS DE MINHA DEFICIÊNCIA, FUI OBRIGADO A PAGAR O VALOR DE R$ 9,50 COBRADO À FUNCIONÁRIA DO ESTACIONAMENTO, QUE DESCONHECIA DA LEI E DIZENDO QUE LÁ NÃO EXISTIA ISSO. POR FINAL QUANDO EXIGI QUE ME DESSE SUA IDENTIFICAÇÃO PROSSINIONAL E DOCUMENTOS PESSOAIS PARA QUE EU PUDESSE REGISTRAR COM FOTO E POSTERIORMENTE AJUIZAR A EMPRESA. ONDE A MESMA NEGOU E DIZENDO QUE SERIA PREJUDICADA E NA PRESENÇA DE OUTRO EMPREGADO QUE VIU O TUMULTO CAUSADO POR ELA, DISSE PARA QUE FOSSE DEVOLVIDO O VALOR RECEBIDO PARA MIM. E MESMO ASSIM A FUNCIONÁRIA ME INTIMIDOU E AVISOU QUE DA PRÓXIMA VEZ EU TERIA DE PAGAR. POIS DESCONHECIA A LEI. ISSO DUROU CERCA DE 40 MINUTOS E NA PRESENÇA DE OUTROS DOIS CLIENTES ATRAS AGUARDANDO PARA SAIR DO ESTACIONAMENTO. NA VERDADE ELES PARECEM SER FORÇADOS A AGIR ASSIM PARA QUE NOS SINTAMOS INTIMIDADOS E ENVERGONHADOS E COM ISSO PAGARMOS. ABSURDO.

Responder

0
0
Dionisio Fonseca  21.11.14 10h40
O QUE ACONTECE NA MAIORIA DAS VEZES É QUE POR FALTA DE CAPACITAÇÃO DESSES PROFISSIONAIS QUE FATOS CONSTRANGEDORES COMO ESSES VEM OCORRENDO. JÁ PASSEI E PASSAREI POR VARIAS SITUAÇÕES ASSIM, PRINCIPALMENTE POR QUE A MINHA DEFICIÊNCIA NÃO SER PERCEPTÍVEL VISUALMENTE. POR ISSO JÁ APRESENTO A CARTEIRINHA DA AMDE DEVIDAMENTE ATUALIZADA PARA EXIGIR MEUS DIREITOS A QUALQUER UM. POIS ASSIM COMO FUNCIONÁRIOS OUTRAS PESSOAS NOS ESTACIONAMENTOS E EM QUALQUER LUGAR COSTUMAM QUESTIONAR.

Responder

0
0
Patrícia Góes   17.11.14 10h42
Independentemente do advogado mostrar a carteira, é direito do deficiente não mostrar sua deficiência, pois se estivesse mentindo cometeria o crime de má fé. Quando muito responder se a deficiência era física. Uma vez um caixa disse: Esse caixa é pra idoso e então perguntei: qual é o caixa pra deficiente físico? (encurtamento da perna e pé deformado)e a estupida disse: Não estou vendo nenhuma deficiência na senhora. Terei meu sapato e botei o pé deformado a esteira e todos em volta ficaram horrorizados e ela disse: isso não era necessário e eu disse você não disse que não estava vendo? Agora chame o gerente pra ele ver também. Nem sempre dizer é suficiente, pois eu disse e não adiantou nada.

Responder

1
0
ERICA VITOR DE CARLI  11.11.14 09h40
Era bem mais facil o ADVOGADO dizer a deficiencia... Gosta de criar caso tambem...tudo destes advogados e processo...o fiscal estava fazendo o servico dele. tem muito caso que as pessoas gosta de aproveitar da situação o fiscal é um pai de família esta ali cumprindo com sua com obrigação.

Responder

0
4
faria  10.11.14 13h45
o atacadao deve ser processado pelo pessimo atendimento no caixa mercadoria sendo misturadas com outras ja estragadas é uma falta de respeito pagar no caixa e ainda ter que dar o comprovante para esses idiotas dar visto no que vc ja pagou ta certo PROCESSAR a EMPRESA,O GERENTE e o infeliz do SEGURANÇA

Responder

2
0

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER