16.10.2019 | 10h15


CENTRO HISTÓRICO

Vuolo quer afastar drogados e transformar região em shopping; Veja vídeo

Secretário de Cultura, Francisco Vuolo, fala sobre o projeto de recuperação de casarões, igrejas e espaços públicos, que visa atrair turistas e cuiabanos para o Centro, valorizando imóveis e o comércio na região.


DA REDAÇÃO

Uma série de restaurações que está sendo promovida no Centro Histórico de Cuiabá, em prédios, igrejas e praças públicas, por meio da Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo de Cuiabá tem o objetivo, segundo o secretário Francisco Vuolo, de “transformar a região em um grande shopping aberto”.

Em entrevista ao , Vuolo fala sobre o risco de desabamentos de antigos casarões em período de chuvas, a necessidade de demolições e explica a preocupação em “devolver” o Centro aos cuiabanos, fazendo com que a região deixe de ser perigosa e passe a ser valorizada. Para isso, além dos investimentos da Prefeitura, ocorre ação essencial dos amigos do Centro Histórico com investimento internacional.

Na entrevista, o secretário ainda fala sobre a retomada da administração do Parque Tia Nair, que segundo ele, pode vir a ter outra concessão. Vuolo também comenta sobre os preparativos da Prefeitura para o Natal e relata sobre a programação cultural na Capital, que ocorre graças a aprovação de 51 projetos.

Veja o vídeo:

 











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Ricardo  16.10.19 11h08
A solução vislumbrada pelo secretário vai na contramão das melhores experiências de intervenção, tanto em centros antigos, quanto em shoppings centers, no Brasil e no mundo. Centro histórico não pode ser confundido com centro de compras. Usos culturais e residenciais devem ser estimulados tanto quanto os comerciais e de serviços, e isso é incompatível com a ideia tradicional de Shopping, como um ambiente controlado por lojistas. A tendência é que os shoppings se aproximem cada vez mais da riqueza urbana e paisagística dos centros históricos bem preservados, e não o contrário.

Responder

1
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO