04.07.2017 | 17h33


DIRETO AO PONTO / "PROBLEMÁTICO"

Promotor que humilhou PMs já era supervisionado por oferecer whisky a juiz



Durante reunião do Conselho do Ministério Público do Estado (MPE), nesta terça-feira (4), o promotor de Guarantã do Norte, Fábio Camilo da Silva, foi apontado como "problemático". Ele já estava sendo supervisionado por cantar uma colega promotora e oferecer garrafas de whisky a um juiz, durante audiência.

Outras infrações de Fábio foram prender um homem por suposta embriaguez, ter faltado audiências por estar na cidade de Chapada dos Guimarães (sem prévio aviso), agredir um adolescente infrator e atropelar um deficiente físico, quando estava visivelmente embriagado, chamando a vítima de “preto nojento”.

Fábio Camilo foi afastado das funções depois de ter humilhado policiais, no sábado (1º), e ser preso por quebrar a porta e invadir uma emissora de televisão em Guarantã do Norte, no domingo (2).

Na segunda-feira (3), o promotor voltou a causar confusão no Hospital Regional de Sinop, onde estava internado em surto psicótico. Ele tentou agredir enfermeiros e precisou ser contido por policiais para ser sedado.











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Jandira  04.07.17 20h08
Era monitorado?! Precisou fazer essa lambança toda para ser afastado?! Agora forjando surto psicótico para evitar demissão a bem do serviço público. MP errou ao ignorar a vida pregressa do cara, errou só monitorar quando o cara já mostrava que é desequilibrado. Credoooooo!!!!!!

Responder

2
0
Lourenço.  06.07.17 13h00
MP não errou Jandira; o MPE (do MT) é que "ignorou" o MPE do MS, que, com competência, lisura e sabedor das Leis, RECUSOU esse individuo como Juiz.

Responder

0
0

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO