08.07.2011 | 11h00


DIRETO AO PONTO

Pagot e o "juris esperneandi"

Depois de perder o comando do Ministério dos Transportes sob acusações de corrupção, o PR manda ao Governo seu recado: não quer pagar sozinho pelas denúncias que abalaram a pasta e já faz ameaças a petistas que estão na estrutura do órgão.

Afastado após ser envolvido nas acusações que derrubaram o ex-ministro Alfredo Nascimento, o diretor-geral do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Luiz Antonio Pagot, deu prévia ontem de como será seu primeiro depoimento sobre o caso, terça-feira, no Congresso. O ex-chefão do Dnit, agora, quer bancar o paladino da moral e dos bons costumes. Porque não fez isso antes de perder o cargo? Aliás, se sabia de tudo o que ameaça dizer, porque aceitou o cargo? A tática de Pagot, agora, é "juris esperneandi".

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO