28.02.2020 | 15h42


DIRETO AO PONTO / CARGA PESADA

MT recolheu R$ 6,7 bilhões em impostos este ano; R$ 185 milhões a mais que 2019



Até a última sexta-feira do mês de fevereiro, dia 28, Mato Grosso já contabilizou mais de R$ 6,7 bilhões de reais recolhidos aos cofres do estado através dos tributos municipais, do próprio estado e da União. A informação é do Boletim Impostômetro da Fecomércio-MT, que lembra ainda que 2020 é ano bissexto, ou seja, um dia a mais para o governo estadual aumentar sua arrecadação.

O valor aproximado recolhido no ano passado foi atingido somente no dia 02 de março. O boletim reforça que a maior parte dos tributos vem da circulação de produtos e serviços (ICMS) e sobre a renda, através do Imposto de Renda (IR).

Se comparado com os mesmos dias do ano passado, o estado arrecadou R$ 185 milhões a mais. Agora, com mais um dia no calendário de 2020, é esperado que Mato Grosso recolha aproximadamente R$ 100 milhões somente no dia 29 de fevereiro.

Apesar de contribuir com apenas 1,25% do total arrecadado no país, o que o torna o 13º estado com a maior arrecadação, Mato Grosso ajudou o país a contabilizar mais de R$ 460 bilhões pagos em tributos. A maior parte da arrecadação nacional é proveniente de  São Paulo (37,39%) e, depois, com um percentual bem menor, Rio de Janeiro (13,78%). 

O Impostômetro considera todos os valores arrecadados pelas três esferas de governo a título de tributos: impostos, taxas e contribuições, incluindo as multas, juros e correção monetária. Ele serve para conscientizar a população sobre a alta carga tributária e incentivá-las a cobrar os governos por serviços públicos de mais qualidade.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

Enquete

QUARENTENA

Você é a favor de parar tudo ou só isolar grupo de risco?

Sim, parar tudo é a melhor solução para conter o vírus

Não, parada total é suicídio econômico; será o caos pior que a doença

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO