29.06.2020 | 12h40


DIRETO AO PONTO / "REMÉDIO DO BOLSONARO"

Médicos da rede pública se recusariam a receitar kit covid em Cuiabá



Fontes da coluna, ligadas à Saúde, dão conta de que médicos do SUS, em  cuiabá, estariam se recusando usar o protocolo de medicação  precoce para covid-19,   com  hidroxicloroquina,  azitromicina e ivermectina  entre outros, que são considerados por médicos de ideologia de esquerda, como "remédios do Bolsonaro". 

É público  e notório que o presidente da república foi um dos primeiros a defender a medicação precoce com esses remédios.

Houve, sim, muita resistência por parte de secretários, governadores e prefeitos, de início, também por questões políticas, mas boa parte deles, já começa a mudar de ideia, depois que casos de sucesso com este protocolo foram registrados pelo país, como em Belém do Pará e Porto Feliz, em São Paulo. Este último medicou preventivamente a população com ivermectina e é considerado o case de maior sucesso. 

A prefeitura de Cuiabá tenta mudar o protocolo atual, por conta da situação desesperadora das UTIs e estaria  enfrentando dificuldades com médicos na ponta. Ideologia burra que, pode sim, estar matando pessoas. Cuiabá já perdeu 120 vidas.  A história punirá tais atos deliberados.  Quem sobreviver verá! 











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

R. D. R.  07.07.20 14h12
FDA e CDC (EUA), NHS (inglês), Cochrane (escocês), sociedades de pneumologia, de infectologia, todos estão errados. E o prefeito de Porto Feliz estaria certo... Não tem nenhum estudo sério que mostre eficácia deste "kit covid". Não é politicagem, é falta de evidências científicas. Ah, vídeos de WhatsApp e Live do Alexandre Garcia NÃO são fontes confiáveis.

Responder

3
0
Paulo  29.06.20 20h15
Mande.embora estes médicos , que preferem deixar morrer pessoas à usar o " remédio do Bolsonaro ".........tipico pensamento esquerdista. ...

Responder

56
9
Leny  06.07.20 19h16
Se realmente procede, e só entrar com uma ação contra o médico; fazendo ele se responsabilizar por toda e qualquer consequencia que venha ocorrer com o paciente.

Responder

1
0
Povo de Matogrosso  29.06.20 18h12
Milhares de vida poderiam ser salvas se tivessem usado o protocolo desde o início. Infelizmente a esquerda nunca se preocupou com vidas, apenas com o poder. Uma composição de remédios baratos que salvaram várias vidas se administrados no princípio dos sintomas. Os canalhas de sempre enganando a população

Responder

57
10

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO