28.06.2020 | 18h39


DIRETO AO PONTO / EMPATIA ZERO

Juíza alega ‘pobreza’ e entra na Justiça para ganhar remédio de R$ 215 do Estado



A juíza Patrícia Ceni dos Santos, do Juizado Especial do Torcedor, entrou com uma ação civil na Comarca de Várzea Grande na tentativa de obrigar o Governo do Estado a pagar por um medicamento no valor de R$ 215 para tratamento de trombose venosa profunda dos membros inferiores.

No documento, a magistrada alega não ter condições de arcar sozinha com as próprias despesas por cuidar dos pais idosos e de uma sobrinha.

Ela também destaca que precisará de sete caixas do remédio totalizando o valor de R$ 1.505,00.

Porém, ela desistiu do pedido depois que o juízo da Primeira Vara Especializada da Fazenda Pública de Várzea Grande determinou que comprovasse nos autos a insuficiência financeira.

É bom lembrar que um juiz iniciante ganha no mínimo R$ 23 mil mensais, sem colocar os penduricalhos. A verdade é que nos dias atuais está faltando empatia, principalmente, de quem deveria zelar da coisa pública e dos que mais precisam.

c051eb37be4a9cf3480497d55d87c2da.jpg 










(6) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Nice Helena  29.06.20 21h42
Absurdo! Cara de pau! Eu, sou da saúde! Já presenciei muitos casos semelhantes. Estou petrificada! Parabéns pela matéria!

Responder

11
1
Fabiano F  29.06.20 14h17
Essa é uma doença muito triste.... realmente é de tratamento muito caro, mas agiu corretamente o colega dela, para provar a necessidade econômica, basta trazer provas...

Responder

9
2
Alberto  29.06.20 12h21
Essa juíza nao é parente do Rogerio Ceni?

Responder

1
3
jaca  29.06.20 14h07
prima....

Responder

1
1
comentarista  29.06.20 09h25
Engraçado, essa magistrada em julgamento indefere justiça gratuita se a parte possuir uma moto no nome, revoltante.

Responder

33
1
Juliano   29.06.20 12h51
Poderia me mandar o número desse processo parceiro?

Responder

1
1
Juliano   29.06.20 12h52
Poderia me mandar o número desse processo parceiro?

Responder

1
1
Benedito costa  29.06.20 07h35
Isso é uma aberração, vergonhoso e imoral por parte desta magistrada. Deveria ser suspença, advertida ou responder por omissão.

Responder

30
1
Perez Assis  29.06.20 09h22
Gente do padrão dessa magistrada, o mundo está cheio. A razão de vir um coronavirus para levar um pouco desses imorais e egpistas, está justificado. Essa jurista merece o pior nome para um ser usurário e mau. O Brasil com tantos pobres sofrendo nessecidades, essa marajá reclamando.

Responder

22
1

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO