21.01.2020 | 20h10


VEJA VÍDEO

Em meio à polêmica, governo esclarece como é calculado o ICMS dos remédios



Em meio a discussões sobre o impacto da nova legislação que reinstituiu os incentivos fiscais, o governo elaborou um vídeo esclarecendo sobre o aumento do ICMS aplicado aos medicamentos.

Segundo o Executivo, pela lei complementar 631/19, o imposto passou a ser cobrado pelo Preço Máximo ao Consumidor (PMC). Para exemplificar a cobrança sobre o medicamento, o governo usou o exemplo do Sedamed.

Conforme o governo, até 2019, o medicamento era vendido a R$ 10. Do valor total, R$ 6,37 correspondia ao preço médio pago pelo produto por parte do comerciante, R$ 0,96 correspondia ao ICMS e os R$ 2,67 era margem de lucro do estabelecimento.

Em 2020, com a nova lei em vigor, o mesmo lote do remédio está sendo comercializado a R$ 12,09; Desse total, R$ 6,37 corresponde ao preço médio do produto ao entrar no Estado, R$ 1,31 é referente ao ICMS e os demais R$ 4,41 é margem de lucro bruta do proprietário da farmácia.

 

O Estado alega que não interfere na margem de lucro praticada pelas farmácias e nem de qualquer outro setor.

Veja o vídeo:











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO