17.07.2019 | 15h17


CALOTE NA ENERGISA

Bolsonaro, humorista e deputado de MT batem boca por luz cortada na UFMT



O corte de energia na Universidade federal de Mato Grosso (UFMT), na terça-feira (16), rendeu bate-boca no twitter entre o presidente Jair Bolsonaro, o humorista Rafinha Bastos e até o deputado federal de Mato Grosso, José Medeiros.

A celeuma começou quando Bolsonaro publicou sobre a suspensão do vestibular LGBT para a Universidade da Integração da Lusofonia, após intervenção do MEC. 

O humorista citou o corte de energia da UFMT criticando a atitude do presidente.

“A Universidade Federal do Mato Grosso ficou sem luz após atrasar o pagamento de contas de 2018 e 2019. Se quiser acionar o MEC pra fazer intervenção onde realmente precisa (e não pra fazer propaganda ideológica), dá um toque aí, campeão”, comentou Rafinha.

O presidente respondeu com um post do ministro da Educação, Abraham Weintraub, chamando de absurdo o fato de seis contas de luz estarem em atraso, sendo liberados R$ 4,5 milhões justamente para isso.

Rafinha ainda lembrou a Universidade Federal de Sergipe, que teria suspendido atividades por falta de repasses, a de Brasília, com déficit de R$ 100 milhões e também de Santa Maria, onde houve demissão.

José Medeiros entrou na discussão, justificando que as dívidas e sucateamento das universidades são culpa do PT, depois publicou vídeo com o ministro da Educação falando do caso da UFMT.

A situação seguiu com série de participações de xingamentos em enfrentamentos travados online por opositores e seguidores.

 

reprodução

post bolsonaro










COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

ABUSO DE AUTORIDADE

Você concorda com aprovação da Lei para punir juízes?

Concordo: MP e Juízes erram muito e prejudicam pessoas de bem

Não concordo. A aprovação da lei é que é um abuso

Bolsonaro deveria vetar a lei

Bolsonaro deve sancionar a lei

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER