29.06.2020 | 11h56


CORONAVÍRUS / COVID-19 EM MT

Saúde perdeu mais de 10 profissionais em junho; entre eles estão dois médicos

Neste final de semana foram quatro mortes em Cuiabá, Várzea Grande e Lucas do Rio Verde


DA REDAÇÃO

Médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e dentistas já estão entre as mais de 500 vítimas fatais da covid-19 em Mato Grosso. A maioria atuava na linha de frente no combate ao novo coronavírus. Neste fim de semana, quatro profissionais perderam a luta para a doença. No mês de junho, já são mais de 10 mortes confirmadas e, entre as vítimas dois médicos. Já são quase 400 profissionais da enfermagem contaminados em Mato Grosso e 128 médicos.

Os três últimos óbitos ocorreram em Cuiabá e Várzea Grande neste domingo. O pediatra Reinaldo Rodrigues de Oliveira morreu no período da tarde. Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Femina, em Cuiabá. Reinaldo também tratava de um câncer, por isso, fazia parte do grupo de risco para a covid.

Em Várzea Grande, durante a madrugada de ontem, faleceram o cirurgião dentista Pedro Camargo de Oliveira, 57 anos, que era lotado na Clínica de Atenção à Saúde Miguel Baracat  “24 de dezembro”(antiga Policlínica) e o enfermeiro Gonçalo Benedito de Barros, 42 anos, lotado na UPA Cristo Rei.

Na manhã de sábado (27), quem perdeu a luta contra a covid-19 foi a técnica de enfermagem Clarice Bamberg, 45 anos. Ela atuava e morreu em Lucas do Rio Verde. Clarice estava internada no Hospital São Lucas desde o último dia 15.

Clarice era servidora da Secretaria Municipal de Saúde desde 2012 e atualmente trabalhava em uma unidade do PSF.

No dia 24 deste mês morreu o técnico de enfermagem Lucciminiani Silva Vianna, conhecido como Cleiton Viana, que atuava no Hospital Metropolitano. Dedicado ao cuidado, poucos dias antes, ele havia gravado um vídeo falando sobre a importância do isolamento social.

Uma das suas últimas mensagens nas redes sociais falava em tristeza, mas na certeza de vencer a luta. “A enfermagem chora, Chora por estar adoecendo, Chora por estar perdendo soldados na guerra, Chora de tristeza por ver amigos e parceiros de trabalho doentes, Chora pelo risco de contaminar a nossa família, Chora pelo descaso com nossa classe, Nos estamos fazendo o possível e impossível, Nos estamos com sensação de impotência, Nos sentimos que estamos enxugando gelo, Nos estamos dando murro em ponta de faca, Mas eu creio que dias melhores virão, Sejamos fortes meus amigos, Vamos vencer, Nós somos linhas de frente, Nós combatemos o bom combate, Nós cuidamos de quem vcs amam” (sic).

No dia 22 deste mês faleceu a técnica de enfermagem Juciana Mendes da Silva Melo, 50 anos. Reconhecida pela competência, a técnica era uma das profissionais mais antigas do Hospital Estadual Santa Casa.

No dia 21 deste mês morreu o primeiro médico que atuava em Mato Grosso com covid-19. Agnaldo Cesário da Silva, de Lucas do Rio Verde, estava internado em um hospital na Capital para tratamento de uma pneumonia bacteriana. Agnaldo foi um dos pioneiros na medicina em Lucas do Rio Verde e atuava em municípios vizinhos. O Conselho Regional de Medicina informou que o resultado para covid-19 deu positivo.

No dia 17 a técnica de enfermagem Joselita dos Santos morreu no Hospital Regional de Rondonópolis, Ela tinha 65 anos. Joselita deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento no último dia 3 de junho e foi transferida para a UTI do Hospital Regional de Rondonópolis no dia 5.  Como comorbidades, apresentava hipertensão e doença pulmonar crônica.

Aposentada pela Prefeitura do Município de Primavera do Leste, atualmente ela realizava atendimentos na modalidade home care.

No dia 12, morreram a enfermeira Simone Lima Oliveira dos Anjos, 42 anos, dedicada profissional que compôs a equipe do Hospital Geral Universitário, e a técnica de enfermagem aposentada Maria Eliane Queiroz da Silva, 64 anos, da cidade de Nova Mutum, que faleceu em Várzea Grande, onde estava internada.

As mortes dos profissionais da saúde iniciaram em maio. No dia 18 faleceu a enfermeira Alessandra Bárbara Pereira Leite, de 49 anos, após ficar mais de um mês na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Referência para Covid-19, em Cuiabá, o antigo Pronto-Socorro. Alessandra fazia parte de um grupo grande de profissionais da enfermagem que foram contaminados no Caps do Adauto Botelho.

Também do Adauto Botelho, o primeiro a falecer foi o enfermeiro Ataíde Celestino da Silva. A morte aconteceu no dia 2 de maio, depois de mais de um mês de internação. Ataíde tinha 37 anos de atuação do Caps Adauto Botelho e foi também o primeiro profissional da enfermagem a perder a vida.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO