16.07.2020 | 09h04


CORONAVÍRUS / PESQUISA DA UFMT

Baixada cuiabana terá mais de 55 mil casos de covid-19 em dois meses

Estudo aponta que Mato Grosso atingirá seu ponto mais alto na curva ascendente no dia 3 de setembro, com 307.852 infectados, 940% a mais do que na quarta-feira (15)


DA REDACÃO

Estudo realizado por pesquisadores dos Departamentos de Matemática, Geografia  e do Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Cuiabá, aponta que o pico da pandemia do novo coronavírus na Baixada Cuiabana será na primeira quinzena de setembro. A região terá 55.863 casos até o dia 12 de setembro. Já Mato Grosso deve atingir 307.852 infectados em 3 de setembro. 

O estudo é intitulado “Evolução da Covid-19 em Mato Grosso: panorama atual e projeções para as regiões de saúde”, no qual foram levados em consideração dados desde o inicio da pandemia até o dia 30 de maio, para realizar tais estimativas. 

Os pesquisadores observaram que as regiões com maiores taxas de incidência são a Baixada Cuiabana, Araguaia Xingu e Sul Matogrossense. Segundo a nota técnica,  cada região mostrou diferença na velocidade de aumento no número de casos (transmissibilidade), o que reflete diretamente na projeção do pico. Seis regiões terão o pico em agosto, e as outras cinco em setembro. 

Vale ressaltar que os pesquisadores esclarecem que após o pico, não significa que tudo voltará ao normal. O que irá acontecer é uma redução de forma lenta no contágio, mas a doença ainda continuará impactando a vida da população.

Veja projeções: 

RepórterMT/Reprodução

Estudos apontam números e datas de pico da pandemia.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO