28.03.2020 | 14h05


CONEXÃO PODER / VEJA VÍDEO

Vereador revela cobrança de Abílio por cargos em troca de apoio a Emanuel



Em entrevista ao Conexão Poder, o vereador Oséas Machado (PSC) revela  que enquanto esteve como secretário de Governo da Prefeitura de Cuiabá e Abílio Júnior era vereador da base do prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), o então vereador o pressionou para que desse empregos a apoiadores que contavam com os cargos, indicados por ele.  Oséas explica que o então vereador estaria cobrando os cargos em troca do apoio em campanha a Emanuel e ressaltava que: “Quem ajudou a ganhar, ajuda a governar”.

Oséas foi autor do pedido que cassou o mandato de Abílio Júnior. Ele destaca que a situação figura como crime e foi gravada e divulgada pelo próprio Abílio. A mesma consta em vídeo abaixo. A denúncia dessa situação foi feita ao Ministério Público.

“E quando ele pegou esses currículos da minha mão, ele teve a audácia de dizer que como ele não conseguiu esses empregos ali ele teria que procurar outro mecanismo para poder empregar essas pessoas, porque era o acordo de campanha. Eu achei estranho porque você não faz acordo de campanha a troco de apoio. Você não faz essa negociata a troco de emprego (...) Não pode chegar para a pessoa e dizer você me apoia; vota em mim que eu vou te dar um emprego. Isso é crime eleitoral e o que ele deixou transparecer ali foi bastante complicado”, critica.

Veja:

 











(2) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Chirrão  01.04.20 09h32
TEM ALGO MUITO ESTRANHO NAS PALAVRAS DESSE VEREADOR ! DEFENSOR DO PALETÓ...CADE OS CURRICULOS ??

Responder

4
2
Benedito costa  29.03.20 11h02
Diga-me agora vereador: qual deles que apoiou o prefeito e não recebeu algo em troca intuindo o senhor agora no cargo não por merecimento, mais no tapetão

Responder

8
2

TV REPÓRTER

Enquete

REMÉDIO POLÊMICO

Você tomaria hidroxicloroquina caso contraísse Covid-19?

Sim. O remédio está no mercado há 70 anos

Não. O remédio não tem comprovação de pesquisa para Covid

Não. Cloroquina é o remédio do Bolsonaro

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO