27.11.2019 | 16h03


MIL VAGAS

Segurança: Preso tem que trabalhar; VG terá presídio com indústria

O presídio de Várzea Grande será o maior do Estado. Secretário explica que o trabalho e o estudo são essenciais para reduzir reincidência de crimes.


DA REDAÇÃO

Ao comentar o problema da superlotação nos presídios de Mato Grosso, que contam com a população carcerária de 12 mil detentos, o secretário de Segurança Pública do Estado, Alexandre Bustamante declarou, em entrevista ao Conexão Poder, que o Governo do Estado deve inaugurar no próximo ano, uma nova unidade, em Várzea Grande, com cerca de mil vagas que terá indústria de concreto e viveiro, nos quais os presos irão trabalhar.

“É uma unidade produtiva onde teremos duas industrias lá para que os presos trabalhem. É uma concepção totalmente diferente do modelo que tinha de segregar da sociedade, simplesmente colocar o preso dentro da unidade. Não. Ele tem que se ressocializar, porque querendo ou não, um dia esse preso volta para a sociedade e se a gente não der uma atividade para ele para que ele volte, ele vai viltar para o crime”, comentou o secretário.

O presídio de Várzea Grande será o maior do Estado.

Outra unidade prisional está sendo construída em Peixoto de Azevedo, Norte do Estado, com capacidade para 275 presos.

“Temos um índice de reincidência muito alto e a gente quer reduzir esse índice de reincidência e manter o preso que está lá dentro, na condição de trabalhar e estudar, porque ele vai voltar um dia para a sociedade . Não existe prisão perpétua e nem pena de  morte no Brasil”, destacou Bustamante.

Ainda na entrevista, o secretário falou  sobre  a ação de ‘limpa’ na Penitenciária Central do Estado (PCE), antigo Presídio Pascoal Ramos, que continua até dezembro, e a reestruturação do sistema prisional, que está sendo feita em todo o Estado.

Veja o vídeo:











(3) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Davi  04.12.19 10h37
Agora VG vai se tornar a cidade industrial. Ohoo lugar que tem vagabundo. 😂😂😂

Responder

2
0
Fenix  03.12.19 20h44
CONCORDO PLENAMENTE. AQUELE QUE PRATICA CRIME DEVE CUSTEAR AS SUAS DESPESAS BEM COMO DOS SEUS FAMILIARES DURANTE A SUA ESTADIA NA PRISAO. CONCORDO PLENAMENTE, TRABALHO NELES. AGORA SOU CONTRA ESSA IDEIA DO CANTICO DA ESPADA QUE witzel E O TAL mito PRETENDEM INSTALAR NO BRASIL. ATIRAR PRA DEPOIS VER QUEM LEVOU O TIRO, ISSO É INJUSTO, IMORAL E VIOLA OS PRINCIPIOS DIVINOS. DENTRO DE CADA PRESIDIO DEVERIA TER INDUSTRIAS E NAO OBSTANTE A ISSO APROVEITAR OS REEDUCANDO PARA CONSTRUIR ESCOLAS, ASFALTO E OUTRAS OBRAS PUBLICAS. DAR SALARIO PARA OS MESMOS COM DIREITOS TRABALHOSTAS NORMALMENTE. E COM CEETEZA SE A SUA PENA FOR EQUIPARADA A PRODUCAO E A MUDANÇA DE COMPORTAMENTO O MESMO DEMONSTRARA APTO A VOLTAR A SOCIEDADE.

Responder

0
1
joana  30.11.19 16h27
ate que enfim alguem falou uma coisa sensata. o preso precisa trabalhar para pagar o seu custeio dentro da penitenciaria e se possivel ajudar a familia da vitima (se for o caso) que ficou desamparada aqui fora

Responder

5
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO