10.02.2020 | 07h45


ESTADO MÍNIMO

Pivetta defende fim da estabilidade do servidor e privatização da Saúde

O vice-governador Otaviano Pivetta diz que o Estado tem que ser um administrador de contratos geridos pela iniciativa privada o que, segundo ele, seria mais econômico e eficiente.


DA REDAÇÃO

Em entrevista ao Conexão Poder, o vice-governador, Otaviano Pivetta (PDT) revela ser contra a estabilidade do servidor público e defende que o Estado privatize serviços de atendimento, inclusive da Saúde Pública.

“Aquilo que é possível comprar no mercado privado, nós temos que comprar. O Estado precisa ser um administrador de contratos. Agora, o Estado não pode se omitir de prestar alguns serviços essenciais, que só ele pode prestar e aí cito a Educação, Saúde Pública, a infraestrutura e a Segurança Pública. Fora essas quatro áreas não temos que fazer concurso público. Não temos que dar estabilidade para ninguém”, argumenta Pivetta, que é pré-candidato ao Senado.

Na entrevista, ele pontua que  até os hospitais deveriam ser administrados de forma privada, o que, segundo ele, seria mais eficiente e econômico.

“Posso comprar bens, serviços e colocar à disposição da sociedade e o Estado fazer a gestão dos contratos, o que é muito mais fácil do que fazer gestão de milhares de pessoas pelo Estado afora, sem poder acompanhar”, defende ao avaliar que o Estado não consegue ter controle sobre seus servidores.

Pivetta comenta que essa discussão vem sendo feita no Governo do Estado e algumas parcerias já concebidas.

Veja o vídeo:











(6) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Deocleciano de Abreu  12.02.20 23h01
E por isso é por outras coisas mais, que apoio e voto no Júlio Campos para ser o Senador por Mato Grosso / esse Piveta não vale um pequi rápido. E conclamo a todos servidores públicos a votarem em quem nos conhece e nos defende: Júlio José de Campos...o 253.

Responder

5
4
Cuiabano  12.02.20 17h17
Tá vendo, servidor público. Vote no Pivetta, como fizeram votando no Bolsonaro. Só ferro para o trabalhador. Vê se eles mexem com os militares, com as filhas viúvas dos militares, com políticos, etc. Vão pras ruas apoiarem Bolsonaro, Pivetta, Emanuelzinho, Welliton Fagundes, etc. Todo os politicos empresários só mete o ferro no trabalhados. Vocês não aprendem NUNCA!!!

Responder

13
1
CARLOS MIGUEL RONDON DE SOUZA  11.02.20 16h39
Acabou a estabilidade vao pagar o fundo de garatia

Responder

5
2
Maria Auxiliadora   12.02.20 07h51
Contrato por hora trabalhada, sem vínculo empregatício, sem férias, sem abono, sem 13°, sem descanso remunerado...enfim relação de emprego gerido conforme a vontade do gestor, afinal para que CLT e justiça trabalhista se temos patrões conscientes e generosos???

Responder

11
2
joana  10.02.20 16h45
alguem sabe me informar se o plano de saude da unimed dos servidores do judiciario mesmo eles fazendo 60 anos não tem aquele aumento enorme que a unimed cobra dos demais. se for ... agora eu sei quem paga por isso

Responder

11
0
aposentado  10.02.20 11h29
APRENDAM A RECEITA DE COMO FAZER NAUFRAGAR UMA CANDIDATURA: PERDEU CERCA DE 300.000 MIL VOTOS COM ESSA INFELIZ DECLARAÇÃO. ESQUEÇA O SENADO

Responder

32
3

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO