24.11.2019 | 08h00


ANESTESISTAS SUMIRAM

Emanuel suspeita de armação: 'CRM vai investigar porque é muito esquisito'

No primeiro plantão do novo Pronto-Socorro a empresa que faria o serviço de anestesia desistiu da função.


DA REDAÇÃO

A súbita desistência da empresa que havia vencido a licitação e seria responsável pelo serviço de anestesia no Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) onde está o novo Pronto Socorro gerou a desconfiança no prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) de que “pode ter sido coisa armada”.

Em entrevista ao Conexão Poder Emanuel revelou que o caso será investigado, inclusive pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) porque a empresa só se manifestou após a obra ter sido inaugurada e a unidade iniciar os atendimentos de urgência e emergência.

 “Os anestesistas avisaram que não conseguiram contratar  os profissionais e desistiram. Foi um pânico. Como que os anestesistas vão desistir depois que  entregou a obra. Esperaram a gente entregar para desistir do contrato e desistiram. Parece coisa armada sim e o CRM vai investigar porque é muito esquisito”, comentou Emanuel.

A situação ocorreu no primeiro plantão do novo Pronto-Socorro e causou correria para ser revertida e as cirurgias realizadas.

“Imediatamente fizemos o termo [de cedência] para o Pronto-Socorro e a secretaria e possibilitou chamar do São Benedito”, contou.

Segundo o prefeito, nenhum atendimento ficou prejudicado e as cirurgias foram feitas. Emanuel lembrou ainda que essa ação rápida foi possível graças ao Pronto-Socorro ser administrado por uma empresa pública de saúde, com isso não há burocracia, caso contrário, seria um escândalo.

“Poderia virar um escândalo e seria pedrada por todo lado”, concluiu.

Veja o vídeo:











(1) COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Alexandre Ribeiro Lacaz  24.11.19 13h20
Não entendi essa história. Que empresa que pulari fora com contrato assinado, não teria multa por isso? Ou não tinha nenhuma empresa e mesmo assim para angariar mais votos, vocês na irresponsabilidade abriram o HMC, colocando em riscos vários pacientes. E tem mais, que eu saiba a empresa cuiabana de saúde está devendo várias outras empresas médicas por mais de 4 meses inclusive a de anestesia que presta atendimento no HSB.

Responder

7
0

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO