13.05.2020 | 15h52


CONEXÃO PODER / VEJA O VÍDEO

À beira da guerra civil, Brasil pode ter caos de pobreza e violência nos próximos dias

Avaliação é referente ao panorama que se forma diante da crise econômica e política, que ocorre em meio à pandemia de coronavírus.


DA REDAÇÃO

Em entrevista ao Conexão Poder, o especialista em estratégia geopolítica, professor Luiz Antônio Peixoto Valle comenta que o Brasil pode viver um caos, com aumento da pobreza, fome e violência já a partir do mês de junho, caso não haja entendimento entre os poderes, colocando fim às divergências e construindo uma pauta de enfrentamento à crise gerada pela pandemia de coronavírus.

Ao Conexão Poder, o especialista pontua que esse cenário que beira à guerra civil pode se arrastar pelos meses de junho, julho e agosto.

“É bem preocupante a situação atual. Se o próprio ministro da economia Paulo Guedes diz que a economia vai colapsar em 30 dias. Se dentro de 30 dias começar a haver desabastecimento, as pessoas não poderão mais comprar gêneros de primeira necessidade e havendo desabastecimento haverá caos público”, aponta.

Luiz Antonio analisa que em situação de caos, somente o uso das forças armadas pode atuar no controle da ordem, mas no caso do Brasil, o Exército estaria quase que sucateado e agora tem desgaste político. Além disso, a falta de unidade no país deixa inseguro o apoio da Polícia Militar ao Exército, já que cada Estado tem gerido suas próprias regras na pandemia.

Na entrevista o especialista critica que além da falta de união entre os poderes, falta estratégia geopolítica para evitar o caos, já que as forças políticas têm sido concentradas em “apagar incêndios”.

Luiz Antonio Valle faz um panorama de como o Brasil está em desvantagem no cenário geopolítico mundial, caminhando para ser dominado economicamente.

Assista a entrevista na íntegra:











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO