27.05.2011 | 14h31


CIDADES

Vítimas de trabalho escravo ajudam a construir Arena Pantanal

DA REDAÇÃO    13h30

A Agecopa, o Consórcio Santa Bárbara/Mendes Júnior e o Ministério do Trabalho e Emprego lançaram nesta quinta-feira (26.05) o projeto Ação Integrada pela Qualificação e Inserção Social dos Egressos de Trabalho Escravo que proporciona a inclusão social de pessoas que eram submetidas a condições análogas à escravidão. No evento, 25 trabalhadores receberam a carteira de trabalho, garantido a proteção dos seus direitos.

"Agora estamos em uma situação digna, com boa comida e condições de trabalho adequadas", explicou José Valdivino Pereira, de 57 anos, que enfrentava jornadas exaustivas e alojamento insalubre em uma fazenda no interior de Mato Grosso.

O superintendente do Consórcio Santa Bárbara/Mendes Júnior, Humberto Campos Maciel, ressalta que as duas empresas se preocupam "não só com as questões técnicas da obra, mas também com a integração social". Ele destacou ainda que a qualificação desses trabalhadores inclui escolarização, formação técnica e a prática no canteiro de obras.

"É mais um legado que a Copa do Mundo propicia para Cuiabá. E a inserção social dessas pessoas, por meio de uma remuneração digna e respeito aos direitos trabalhistas, é também uma determinação do governador Silval Barbosa", disse o diretor de Infraestrutura da Agecopa, Carlos Brito.

A iniciativa do programa partiu da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso (STRE-MT), que detectou a necessidade de ações específicas para inclusão de pessoas que eram submetidas ao trabalho degradante."Muitos são analfabetos e sozinhos talvez não teriam condições de ingressar no mercado de trabalho formal", observou o superintendente da STRE/MT, Valdiney Arruda.

O coordenador do Projeto Nacional de Combate ao Trabalho Escravo da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Luiz Machado, ressaltou que o projeto desenvolvido na Arena Pantanal é a primeiro do Brasil e mostra que Mato Grosso vem atuando de forma exemplar no resgate social desses trabalhadores. "A OIT pretende levar a ideia desenvolvida aqui na Arena Pantanal para outros estados do país", explicou o coordenador.

Com assessoria

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO