17.06.2011 | 19h39


CIDADES

Vereadores presos pelo Gaeco estão em Cuiabá e alegam inocência

FERNANDA LEITE      14h38
LARISSA MALHEIROS

Os vereadores do município de Sorriso (418 KM de Cuiabá), presos na manhã de hoje (17), pelo Grupo de Atuação Especial Contra Crime Organizado (GAECO) na Operação Decoro, prestam depoimento neste momento. Eles são acusados de cobrar propina do prefeito Chicão Bedin [PMDB] e por ameaça ao secretário de Industria, Comércio e Turismo de Sorriso, Santinho Salermo.

A vereadora Roseane Marques de Amorim foi a primeira a chegar na delegacia. Ela declarou não dever à Justiça e disse que vai provar inocência. "Eu não devo, por isso não temo, estou aqui para provar que eu não estou neste esquema de corrupção", se defendeu a vereadora.

40 minutos depois, chegaram para prestar depoimento o ex-presidente da Câmara Municipal, vereador Carlos Chagas Abrantes e em seguida, em carro separado, a esposa do vereador, Filomena Maria Alves do Nascimento Abrantes, que é proprietária da emissora da TV Record Sorriso.

Em entrevista ao RepórterMT, Chagas disse que não houve ameaça e que desconhece qualquer tipo de "negociação" por parte, tanto do secretário Santinho, quanto sua. "Estamos aqui para provar e verificar que nunca ameacei, nunca recebi ameaças de ninguém e não participei de corrupção alguma. O que eu falei na TV foi sobre os valores da família", explicou, referindo-se ao recado que ele disse na TV para o secretário Santinho em seu programa local.

Finalizando Chagas disse que as gravações apresentadas ao Ministério Público, que apontaram conversa de Santinho com o vereador Gerson Francio (Jaburu) era uma "lição de honestidade". Jaburu foi o último a chegar e não quis dar declarações a imprensa.

De acordo com o Gaeco os denunciados pediam propina que variava de R$ 50 mil a R$ 500 mil, sob ameaça de reprovação das contas do prefeito de Sorriso, referente ao exercício de 2009. Os acusados estão sendo encaminhados para a sede da Polinter em Cuiabá, onde permanecerão à disposição da Justiça.

 

leia também: 

Promotor do Gaeco diz que gravações foram feitas de forma legal











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO