02.05.2011 | 16h42


CIDADES

Trade turístico cobra investimentos do Governo

INARA FONSECA  15h05
DA REDAÇÃO

O setor de turismo reivindica do Governo mais investimentos na área. Segundo Oiran Gutierrez, presidente do Sindicato das Empresas de Turismo de Mato Grosso, a situação na Transpantaneira, Chapada dos Guimarães e Distrito de Bom Jardins (Nobres) é crítica.

"Coitado do pessoal que tem pousada na Transpantaneira. Não há estradas para acesso. Dia desses, uma empresa que iria levar chineses para conhecer o Pantanal mato-grossense não pôde chegar porque a ponte estava quebrada. Isso quando não tem caminhão atolado impedindo a entrada", indignou-se Oiran Gutierrez.

Em Chapada, na época da seca as três nascentes abastecedoras na cidade viram filetes causando escassez de água. O racionamento atinge toda população que necessita recorrer a caminhão-pipa. Entretanto, nenhum investimento foi mencionado para resolução do problema. Para a Copa, a previsão é que a cidade recebe R$ 6 milhões para construção de teleférico.

Em Nobres, o asfalto das rodovias está danificado e há déficit na rede hoteleira. Até o momento, não existem projetos para região.

Jaime Okamura, empresário e integrante do Fórum Estadual dos Empresários de Turismo, acrescenta que o Governo precisa se questionar a razão de Bonito, em Mato Grosso do Sul, ter obtido êxito e os pontos turísticos de Mato Grosso não. A resposta estaria na falta de estrutura e estratégia de marketing estadual.

Copa das Federações

Outra preocupação do setor turístico é referente às questões da Copa. Segundo Jaime Okamura, mesmo com a Copa, Mato Grosso do Sul deve ter mais benefícios no setor do turismo do que Mato Grosso.

"O problema é que não há promoção e divulgação. Alguns dirigentes não querem divulgar alegando que não há infraestrutura. Mas não há um planejamento pra que tudo esteja pronto daqui a dois anos? Se não querem divulgar o que irá acontecer, quer dizer que nem os próprios dirigentes acreditam que sairá a tempo?" indaga Jaime Okamura.

O empresário ainda avalia que é preciso "trabalhar" a imagem do Estado que é ainda não é reconhecido pelas belezas naturais do Pantanal pelos turistas. "As pessoas acreditam que o Pantanal só faz parte do Mato Grosso do Sul. Se não começarmos desde já uma campanha de marketing, não será possível mudar a imagem do Estado.
Nós ganhamos, mas não vamos levar a Copa", ressalta.

Na última quarta (27) o diretor de Comunicação e Marketing da Agecopa, Roberto França, afirmou que a divulgação das atrações turísticas de Mato Grosso só ocorrerá após as cidades tiverem estradas adequadas e estrutura de recepção.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO