06.05.2011 | 16h38


CIDADES

Tim bloqueia CPF de cliente e impede processo contra a empresa

INARA FONSECA   10h41
DA REDAÇÃO

O RepórterMT recebeu nesta manhã (06) denúncia contra a empresa Tim Celular S/A. Segundo a cliente, que preferiu manter seu nome em sigilo, a operadora bloqueou seu CPF (Cadastro de Pessoa Física) internamente, causando lhe constrangimentos na loja, mas não enviou seu nome ao banco de dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), impedindo que entrasse com processo por danos morais contra empresa.

"Meu advogado afirmou que agora eles (referindo-se as empresas) estão fazendo isso justamente pra ficar mais complicado que as pessoas entrem com processos", afirmou.

A advogada Bruna Sabino confirmou que sem o nome sujo no SPC, a abertura de ações por danos morais torna-se quase inviável. "Sem o nome no SPC, comprovar que houve danos morais é mais complicado. Seria necessário conseguir testemunhas comprovando que a cliente foi constrangida na loja, em público", explicou.

A reportagem tentou entrar em contato com a empresa Tim, mas não obteve sucesso.

A história

Em 2009, a cliente comprou uma linha pós-paga da operadora. Devido a um erro da atendente, ao invés de uma linha foram cadastradas duas no nome da consumidora que só descobriu a falha no mês seguinte, quando as contas chegaram.

"Quando recebi a conta fui até a Tim avisar do erro e pedir pra que eles cancelassem o outro número. Saí da loja com a promessa do cancelamento, mas no mês seguinte recebi a fatura de novo", disse indignada.

O problema permaneceu até 2010, quando a Tim cancelou as linhas, mas as faturas permaneceram em aberto e um novo pesadelo se instalou. "Aí sim os problemas começaram. Bloquearam meu CPF na Tim, porque não paguei contas que não eram minhas. Tentava alterar ou comprar qualquer coisa na Tim e era barrada. Diziam que meu nome tinha restrições", queixou-se a cliente.

Até o momento, a cliente continua com o nome sujo na empresa Tim.

Outros casos

O Ministério Público Estadual (MPE) entrou nesta semana com ação contra a empresa Tim Celular S/A. De acordo com o órgão centenas de moradores do município de Novo São Joaquim têm sido vítimas da péssima qualidade do serviço de telefonia móvel prestado pela operadora.

A ação judicial determina que a empresa deve adequar os equipamentos do sistema de telefonia móvel da cidade em um prazo de 30 dias. Caso não cumpra a determinação, multa diária no valor de R$ 5 mil será aplicada. A decisão foi proferida pelo juiz de Direito Moacir Rogério Tortato.

O MPE ainda declarou que a Justiça já condenou a TIM Celular S/A em ações individuais de indenização outras vezes.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO