20.07.2011 | 12h06


CIDADES

Rede pública de educação de Cuiabá e VG pode parar depois das férias

FERNANDA LEITE  10h30
DA REDAÇÃO


Cerca de 60 mil alunos da rede municipal de ensino de Cuiabá poderão ficar se aula ao voltar do recesso. Os seis mil professores aguardam que os gestores acatem a reivindicação de reajuste salarial de 15%.

A prefeitura de Cuiabá já anunciou que ainda neste mês dará um aumento para a categoria de um percentual de 6.71%, porém os professores protestam pelos outros 8.29%.

"A greve foi deflagrada no último dia 14, e queremos que os gestores garantam o que ofertamos para ter um salário digno, um ganho real", disse a presidente da subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso- Sintep/Cuiabá, Helena Maria Bortolo.

Em Várzea Grande, após um mês de suspensão da greve a situação é a mesma. Os professores ameaçam retomar o movimento. De acordo com a presidente da subsede- do Sintep local, Maria Aparecida Cortez, a atual secretária de Educação de Várzea Grande, Zilda Pereira Leite, não cumpriu o acordo firmado com a categoria no mês de junho. Segundo ela, no mês passado, os trabalhadores da educação suspenderam a greve com a aprovação, pela Câmara Municipal de Várzea Grande, de um reajuste salarial de 15,85% e a criação de uma comissão com o objetivo de revisar Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS).

Apesar de Zilda Pereira Leite ter firmando o compromisso com a categoria, a comissão não foi criada e o reajuste concedido foi apenas de 3%, contrariando a lei.

OUTRO LADO

O secretário de Educação de Cuiabá, Permínio Pinto Filho, disse que o salário dos professores da rede municipal é superior ao piso nacional. Para 20h trabalhada um professor recebe hoje R$ 1.207 e para 40h R$ 2.414. "Os professores de Cuiabá recebem acima do piso, e nós nao iremos surtar por causa de uma reunião com a categoria", disse o secretário.

Em VG atraves da assessoria, a secretária de educação de Zilda Pereira Leite, informou que até sexta-feira (29) a folha suplementar do piso salarial da categoria será alterada.
A formação da comissão que irá analisar o PCCS já está formada. Esta mesma comissão também irá avaliar o reajuste exigido pela categoria.


 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO