29.12.2010 | 12h57


CIDADES

Proposta da Anvisa sugere frases de alerta em bulas e embalagens de remédios



FOLHA DE SÃO PAULO

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) publicou nesta segunda-feira uma proposta que sugere o uso de frases de alerta em embalagens e bulas de medicamentos. A nota disponibilizada no site da agência traz as informações que devem constar em cada tipo de substância.

Segundo o documento, as embalagens e bulas poderão conter frases de advertência, que trazem precauções, contraindicações críticas e medidas que favorecem o uso correto dos medicamentos, e ainda propõe que seja informado o grau de risco para uso durante gravidez e aleitamento.

A agência determinou que as bulas devem trazer as frases em negrito e o tamanho da fonte nunca deve ser inferior ao utilizado no restante do papel. Nas embalagens, as frases devem vir com dimensões que permitam fácil leitura

"A grande maioria das pessoas não lê aquelas bulas extensas. Acho muito interessante destacar o principal efeito colateral, desde que de forma sintética e com letras grandes", disse o clínico-geral Paulo Olzon, professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Ele acredita que a iniciativa da Anvisa é bastante aconselhável, pois pode levar as pessoas a ter mais cuidado na hora de consumir remédios.

No entanto, segundo Olzon, "é preciso haver critério e escrever a verdade".

A lista das substâncias e as frases de alerta serão atualizadas periodicamente, de acordo com a proposta da Anvisa, para atender às necessidades dos usuários de medicamentos.

EXEMPLOS

Substância: Cânfora

Frase na bula do paciente: Não utilize este medicamento em crianças, pois pode ocorrer intoxicação, inclusive com convulsões.

Frase na bula do profissional: Há evidências que associam o uso pediátrico de cânfora à ocorrência de intoxicação, inclusive com convulsões. Este medicamento não deve ser utilizado por crianças, principalmente as pequenas ou mal nutridas, pois nesses casos a absorção pela pele pode ser substancial. Além disso, crianças possuem mecanismos de desintoxicação hepática imaturos.

Frase na embalagem: Não utilize este medicamento em crianças, pois pode ocorrer intoxicação, inclusive com convulsões.

Substância: Paracetamol

Frase na bula do paciente: Não use mais do que 4000 mg de paracetamol por dia (número total de unidades farmacotécnicas ou unidades de medidas/dia). O uso acima desse limite pode ocasionar graves danos à saúde,sendo o principal risco a perda de função do fígado. Não é recomendado o consumo de bebidas alcoólicas durante o uso deste medicamento, pois aumenta o risco de dano ao fígado. Atenção: Se você estiver utilizando outro(s) medicamento(s) que contenha(m) paracetamol, observe se você está ultrapassando o limite diário de 4000 mg. Se você consumiu acima desse limite, interrompa o uso e procure o médico imediatamente. Os sintomas de dano ao fígado podem surgir somente após alguns dias de consumo de paracetamol além do limite.

Frase na bula do profissional: Oriente o seu paciente a não ultrapassar o limite de 4000 mg de paracetamol por dia e a não consumir álcool durante o uso deste medicamento, pois ele aumenta o risco de dano hepático. Ao prescrever este medicamento, verifique se o paciente já está usando outro medicamento que contenha paracetamol, para evitar que o limite diário de 4000 mg seja ultrapassado.

Frase na embalagem: Não use mais de 4000 mg por dia. Não consuma bebidas alcoólicas











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO