01.09.2011 | 17h48


CIDADES

PM prende 5 pessoas durante protesto contra privatização da Sanecap

INARA FONSECA       10h15
MAYARA MICHELS
DA REDAÇÃO

Mais um caso de desrespeito ao Estado de Direito Democrático foi presenciado em Cuiabá. Na manhã desta quinta-feira (01), cinco pessoas foram detidas pela polícia militar na Câmara Municipal de Cuiabá por suposto ato de  vandalismo. Os detidos estavam protestando contra o projeto de lei que permite a privatização da Sanecap (Companhia de Saneamento da Capital) que estava sendo votado na tribuna da Casa de Leis.

O presidente da Casa, o vereador Júlio Pinheiro (PTB), já havia informado que pediria reforço policial para conter a população. No local mais de 100 policiais armados com pistolas e espingardas calibre 12 fazem ronda. Além disso, os policiais estão com spray de pimenta e gás lacrimogênio.

Cerca de 400 pessoas protestaram na Câmara. Na noite de ontem (31), alguns manifestantes ocuparam o pátio externo e estão, desde então, acampados na Casa de Leis.

Com a aprovação do projeto de lei, os manifestantes invadiram o prédio e quebraram vidros de portas e janelas. Para conter os protestos, a polícia militar disparou tiros de borracha e soltou bombas de gás lacrimogênio.

Devido a represália policial, os protestos foram deslocados para a Rua Barão de Melgaço. No momento, a via está trancada e os manifestantes estão queimando um boneco que simboliza o prefeito Chico Galindo.

Esta não é a primeira vez que o governo de Cuiabá haja de forma arbitrária. Recentemente, funcionários da Sanecap foram demitidos por participarem de manifestações. O ato foi considerado impróprio pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e a empresa obrigada a recontratar os profissionais.

Após os conflitos da Sanecap e a vergonhosa ação das autoridades cuiabanas, o slogan da Câmara Municipal - "Pode chegar, a casa sua" - deve ser repensado. Que tal, "Cai fora, a casa é nossa"?

Confira o vídeo do protesto e a ação dos policias:

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO