alexametrics
15.02.2011 | 17h44


CIDADES

OPINIÃO: Cuiabá e a modernização do trânsito

WILSON CARLOS FUÁ

Quem pensa que os radares e as lombadas eletrônicas são as únicas ferramentas disponíveis no mercado para controlar o trânsito e aplicar infrações está enganado. Em um futuro não muito distante, todos os carros no país serão controlados por chips.

Em 2014, Cuiabá estará com o Sistema Viário totalmente modernizado, a mobilidade social será uma realidade, a Av. Miguel Sutil, a Av. Fernando Correa e Av. Rubens de Mendonça, terão suas velocidades médias aumentadas, com isso aumentando a possibilidade de acidentes, no ano da Copa do Mundo no Brasil, todos os veículos farão parte do Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos (Siniav).

O sistema prevê que todos os veículos brasileiros tenham chips a partir de junho de 2011 e que os órgãos regionais de regulamentação do trânsito instalem antenas e desenvolvam sistemas que registrem a movimentação dos automóveis.

Enquanto isso, algumas discussões ultrapassadas, da época do Bondinho do Largo da Mandioca, como se não Cuiabá não merecesse receber o desenvolvimento da tecnologia disponível no mundo todo, essa pessoas e até algumas autoridades ainda defendem a não implantação de radares, de controladores de veículos através de Chips e lombadas eletrônicas, estão na contra-mão da história e são verdadeiros aduladores dos transgressores do trânsito, tentando tirar alguns benefícios e ou mesmo sem perceber, está na verdade fazendo apologia do crime no trânsito.

Os equipamentos eletrônicos reduzem significativamente os números de acidentes e melhora o fluxo do trânsito, isso é indiscutível, visto que é impossível colocar em cada cruzamento e em cada avenida um guarda de transito, ou seja, os motoristas irresponsáveis, sabendo que não há fiscalização, produzem todos os tipos de infrações: fura sinal e ultrapassa o limite de velocidade. Esses transgressores das leis do trânsito, de um momento para outro, de um simples condutor de veículo, podem transformar-se em um criminoso do trânsito.

Cumprir regras está no esforço e na ação educacional de cada indivíduo, mesmo com leituras, informações publicitárias e punibilidades do CNT, varia muito a captação de ações de pessoa para pessoa, a punibilidade será aplicada aos transgressores porque as regras existem para serem cumpridas, quem as cumprir jamais será penalizado.

Existem algumas pessoas e mesmo algumas autoridades que defendem os transgressores e que acreditam que os equipamentos eletrônicos fazem parte de uma chamada ‘indústria da multa'. Entretanto, quem não comete infrações não é multado. Apenas aqueles que desrespeitam o Código Nacional de Trânsito são multados.

Basta que você dirija com cuidado, com respeito. Alguém que dirige dentro das normas de trânsito algum dia foi multado?

Alguém que nunca furou sinal algum dia foi multado?

Alguém que respeita a velocidade máxima fixada, algum dia foi multado?

Os condutores de veículos ao saber que as suas atitudes no trânsito estão sendo vigiadas, o tempo todo, em todos os lugares, com certeza não cometerão infrações. O trânsito inteiro fluiria melhor. E algumas autoridades tem aquela visão distorcida de defensor dos transgressores e fazem campanha ao contrario, e apesar de tudo a fiscalização eletrônica já é uma realidade, e Cuiabá com essa grande transformação que passará, não ficará indiferente. O que as autoridades constituídas devem preocupar é com as campanhas educativas e implantação de sistemas de sinalizações eficientes.

Os Guardas de Trânsitos como fiscalizador de trânsito, estão com os dias contados, os equipamentos de monitoramento e controle eletrônicos tendem a substituir a mão de obra humana. "O registro eletrônico de uma infração é mais preciso e eficaz, também porque não tem qualquer tipo de emoção envolvida. Com certeza a tendência natural será o aumento da utilização dos equipamentos na fiscalização e do uso da mão de obra humana nas funções mais de planejamento e engenharia de trânsito."

Os velhos cuiabanos sempre transmitiram aos seus descendentes, os princípios dos bons costumes, das boas ações e obediência a ordem. Por aqui todos nós sabemos dar tempo ao tempo, nada vem de graça, somos produtos da educação familiar visando obedecer às regras, e dependemos da educação escolar para evolução intelectual, baseado nas informações com instruções que compõem o processo de aprendizado da fase de crescimento desenvolvido na hora certa, para ser aplicada na vida adulta, a grande verdade é que não se conquista educação e cultura sem esforço, o mesmo se aplica no trânsito.

A cena do Policial de Transito, logo-logo, transformará em cena rara do passado. Nas grandes cidades os guardas de trânsitos passam a ser os organizadores do transito somente quando há um acidente ou direcionador de desvio quando há uma catástrofe. Cada vez mais as tecnologias estão substituindo os guardas de trânsito.

O fardão, os coturnos e os talonários de multas serão trocados por lombadas eletrônicas, radares e outros aparelhos que, além de controlar a velocidade, controlam o avanço da faixa de pedestre, as conversões perigosas e o avanço de sinal. Equipamento eletrônico é o que realmente controla o comportamento das pessoas, não é a placa de sinalização, elas ficarão ali apenas como assessórios orientadores.

Um sábio cuiabano, que andava pelas ruas, como se fosse um mendigo, era um dos maiores conhecedores em trânsito, e um dia andando pelas ruas da nossa querida Cuiabá, encontrou um neófito condutor de veículo, e aproveitando desse encontro, o jovem condutor, disse-lhe que queria receber como num passe de mágica tudo sobre a legislação de transito e que nada de errado acontecesse com ele, e o sábio disse-lhe, pode pedir:

Eu desejo nunca receber multas;

Eu não quero receber pontuação negativa na minha CNH;

Eu não quero assoprar o Bafômetro, para produzir provas contra mim mesmo;

E finalmente, eu não quero ver meu carro seja Rebocado por estacionar irregularmente.

O sábio disse, eu tenho quatro pacotinhos de sementes, um sobre as multas, um sobre a pontuação na CNH, um sobre Bafômetro e um sobre Reboque de carros mal estacionado, pegue as sementes e use-as. Mas, o neófito disse: eu não quero sementes eu quero os frutos. O sábio conclui: plante bem as sementes e terá bons frutos.

WILSON CARLOS FUÁ é economista, especialista em Administração Financeira e Recursos Humanos.
fuacba@hotmail.com











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO

Bebe Prime