alexametrics
18.03.2011 | 09h58


CIDADES

Nova teconologia de cirurgia por vídeo é apresentada em hospital de Cuiabá

DA REDAÇÃO                                           08h27

O renomado cirurgião José Francisco de Mattos Farah, convidado do Hospital Santa Rosa mostrou procedimento delicado de cirurgia vídeolasparoscópica no pâncreas, durante videoconferência para a equipe médica e residentes no Hospital Santa Rosa.

As cirurgias de alta complexidade por vídeo, mesmo em centros mais avançados como São Paulo, ainda são incomuns, com pouco mais de 10 médicos que realizam esse tipo de procedimento. José Francisco Farah faz parte do corpo clínico do Hospital Albert Einstein (SP) e é chefe do Serviço Cirurgia Geral e Oncológica do Hospital Servidor Público paulista.

Ele explica que é usado material diferenciado no processo cirúrgico, como o tipo de pinças que permite cortes mais delicados e com menor sangramento, principalmente em órgãos mais complexos como o pâncreas, fígado e baço.

O fato inédito no Hospital Santa Rosa é a cirurgia com retirada de 50% do baço (pancreatectomia). No procedimento normal o corte ficaria entre 15cm e 20cm. Por meio da videolaparoscopia a incisão não passa de 4cm.

A vantagem de adotar tecnologia de ponta nesse tipo de cirurgia é toda do paciente. Com incisão menor e menos sangramento, elimina riscos e a recuperação é muito mais rápida, exigindo poucos dias de repouso.

Como se trata de cirurgia de alta complexidade, com uso de tecnologia avançada, o hospital ainda tem um custo maior do que os procedimentos cirúrgicos comuns, mas o objetivo é justamente de facilitar a vida do paciente, com menor tempo de internação e com possibilidade de voltar às atividades normais, em pouco mais de uma semana.

Apesar do emprego tecnológico, o cirurgião Gilmar Ferreira, chefe da equipe do HSR lembra que esse tipo de cirurgia só deve ser feito por especialistas e com treinamento. José Farah, por exemplo, fez especialização no Hospital Charleroi na Bélgica.

O sistema de vídeo conferência, instalado no auditório do Hospital Santa Rosa, dá a oportunidade de médicos residentes conhecerem melhor os procedimentos avançados.

O Hospital Albert Einstein de São Paulo é publico e de referência por manter o ensino e pesquisa no seu quadro de atividades.
Em Mato Grosso o Hospital Santa Rosa, também procura agregar tecnologia e conhecimento ao corpo clínico e aos médicos residentes, possibilitando ampliar o universo de conhecimento na medicina. Farah lembra ainda que "a equipe do HSR se mostra extremamente responsável por buscar a tecnologia e chamar um especialista antes de realizar esse tipo de procedimento" e conclui: "creio que os médicos, os residentes, têm hoje uma oportunidade ímpar de conhecer o trabalho técnico e se preparar para uma especialização". (Com Assessoria)

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO

Bebe Prime