03.09.2019 | 18h50


ABAFA AMAZÔNIA

Governo deflagra operação contra desmatamento e queimadas ilegais em MT

A ação foi deflagrada na segunda-feira (02) e vai percorrer as cidades de Marcelândia, Cláudia e União do Sul



A Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) deflagraram nesta segunda-feira (02) a operação “Abafa Amazônia”, na Região Integrada de Segurança Pública (Risp) do município de Sinop (a 503 km ao Norte de Cuiabá). As ações serão concentradas nos municípios de Marcelândia, Cláudia e União do Sul.

O lançamento foi realizado no Aeroporto Municipal Presidente João Figueiredo. A deflagração da operação visa o enfrentamento qualificado nos crimes ambientais, especificamente, desmatamentos e degradação florestal, incêndios florestais e queimadas irregulares.

Participam da ação profissionais da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Corpo de Bombeiros Militar, Politec, Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), Defesa Civil e a Sema. Além do efetivo, serão empregados um avião, um helicóptero e viaturas nas ações repressivas.

O período proibitivo de queimadas em Mato Grosso começou no dia 15 de julho e segue até o dia 30 de novembro. Neste período, fica proibido o uso de fogo em áreas rurais para limpeza e manejo, levando em consideração o risco de incêndios florestais de grandes proporções. A normativa se fundamenta na Lei Complementar nº 233, de 21 de dezembro de 2005.

No perímetro urbano, as queimadas são proibidas durante todo o ano. Ainda no mês de julho, foi instalado na Sesp, o Comitê Integrado Multiagências de Coordenação Operacional (Ciman), unidade que vai coordenar as ações de prevenção e repressão a incêndios em todo o Estado. A criação do Comitê foi publicada no Diário Oficial do Estado do dia 12 de julho pelo Decreto nº 174/2019.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Matéria(s) relacionada(s):

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER