19.06.2011 | 18h31


CIDADES

Crianças são as que mais morrem por doenças causadas por queimadas

SINARA ÁLVES 16h00
FOLHA DO ESTADO

As crianças são as principais vítimas do ar poluído das queimadas. De cada dez crianças internadas, três morrem. O índice de mortalidade por doenças respiratórias em crianças de até 5 anos se aproxima de 30% em algumas cidades do interior de Mato Grosso, como ocorre em Guarantã do Norte e Alta Floresta.

Os dados constam na pesquisa de mestrado da enfermeira Antônia Maria Rosa, mostrando que as doenças respiratórias são as principais causas de internação em sete cidades do Estado, todas localizadas no interior e com mais de 25 mil habitantes.

No estudo da professora Antônia, a soma dos registros de internações e óbitos resultou no ranking das cidades que apresentam a situação mais grave. Alta Floresta (803 km ao norte de Cuiabá) está no topo.

Do total de internações de crianças com até 5 anos, 80% tiveram como motivo doenças respiratórias, e 27,3% dos óbitos ocorreram pelo mesmo motivo.Cuiabá ocupa a 13ª colocação, abaixo de Várzea Grande (12ª). Na capital, a média registrada de internação pelas doenças das vias aéreas é de 35,8% e 18% de mortes.

Em Várzea Grande foram 51,5% de internações e 6,7% de mortes no período pesquisado. Em seu estudo, a mestra em enfermagem explica que vários fatores levam a este resultado.

Entre eles a situação de queima tão comuns em Mato Grosso principalmente nos meses que vão de julho a outubro. Antônia destaca que internações e óbitos por enfermidades das vias aéreas ocorrem durante todo ano, mas os registros são maiores no período da seca.


CUSTOS

Conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde, são R$ 95 milhões para atender pessoas com problemas respiratórios nos últimos cinco anos. Neste período foram atendidos 183 mil pessoas.

Já no ano passado, 29,7 mil pessoas foram internadas vítimas de problemas respiratórios, o que gerou um gasto de R$ 10,9 milhões.
Números em sua maioria consequência das queimadas recorrentes no Estado, principalmente nos meses que vão de julho a outubro, época que por ironia é proibido realizar qualquer tipo de queimadas em Mato Grosso.

A pneumologista e parceira do programa integrado "Mato Grosso Unido Contra as Queimadas", Keyla Medeiros Maia Silva, explica que os principais prejudicados com as partículas liberadas no ar com as queimadas são as crianças menores de cinco anos e os idosos com idade superior aos 65 anos. A médica detalhou ainda os sintomas causados que são dor de cabeça, ardência nos olhos, tosse, febre, dores de ouvido, dentre outros.

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO