11.06.2011 | 10h41


CIDADES

Bombeiros presos assinam alvará de soltura, mas ainda insistem em protesto

EXTRA  9h42

Mais de 400 bombeiros foram soltos até 9h10 deste sábado, mas ainda restavam 10 presos, porque seus nomes não estavam na lista de libertações enviada pela Corregedoria dos Bombeiros, de acordo com o capitão André Luiz Alves.

Oficiais de justiça chegaram por volta de 4h20m ao Quartel Central dos Bombeiros em Charitas, Niterói, com alvarás de soltura de 429 bombeiros e 2 policiais militares. Eles foram presos no sábado passado por invadir o Quartel Geral dos Bombeiros. A previsão era que todos os 431 presos e seus familiares saíssem de ônibus em direção à Assembleia Legislativa do estado do Rio de Janeiro (Alerj).

O comandante da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte, informou que decidiu suspender a escala extraordinária deste domingo para todo o efetivo da PM no estado. A escala especial era uma medida preventiva para evitar a participação dos policiais napasseata dos bombeiros marcada para a manhã deste domingo na orla de Copacabana.

Mário Sérgio explicou que recebeu uma ligação do coronel Sérgio Simões, novo secretário de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros, informando que o clima na cidade é de absoluta tranquilidade.

-- Tendo em vista o contato feito com o coronel Simões, que me passou este clima de tranquilidade, eu readequei a escala. mantendo apenas o plantão extraordinário nos batalhões da Zona Sul -- disse o comandante.

Segundo o comandante da PM, apenas os efetivos do 19º BPM (Copacabana) e do 23º BPM (Leblon) terão escala diferenciada, das 9 às 14h, por causa da manifestação dos bombeiros.

Mário Sérgio informou também que manterá o plantão reforçado na área do 14º BPM (Bangu) devido aos confrontos com a guerra do tráfico na Vila Kennedy.Dez bombeiros que estavam presos no quartel da corporação em Niterói foram libertados no início da manhã deste sábado e seguiram direto para Barra Mansa, onde vão participar de uma passeata no Centro da cidade a partir das 10h.

Todos que estavam presos e receberam o alvará terão que comparecer no próximo dia 15 de junho na auditoria da Polícia Militar.

O cabo Beneveluto Daciolo, um dos lideres do movimento dos Bombeiros, afirmou, no inicio da madrugada deste sabado, na porta do Quartel do Corpo de Bombeiros de Niteroi, em Charitas, que o principal objetivo do movimento neste momento é a anistia criminal e administrativa dos militares presos, a fim de evitar punições.

Daciolo e outros nove líderes do movimento foram libertados, na noite de sexta-feira, do Grupamento Especial Prisional, em Sao Cristovão, e vieram em carreata ate Niterói. Na madrugada de sexta-feira, foi ajuizado pedido de liberdade, em habeas corpus, por deputados federais

- A verdade está sendo revelada. Os bombeiros nunca foram omissos a população. Agradecemos aos civis que nos apoiaram em nossa causa - afirmou Daciolo, completando - O que falta agora e a anistia criminal e administrativa de todos os presos.

Daciolo contou ainda que as revindicações do grupo ainda são as mesmas: gratificações, piso salarial de R$ 2 mil e vale-transporte. Ele também rebateu as acusações do governador Sérgio Cabral, que chamou a classe de vândalos:

- Ninguém é covarde e vândalo. Somos pais de família.

 

 











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO