21.08.2011 | 11h18


CIDADES

400 famílias em áreas de risco deixarão casas para construção de avenida

MAYARA MICHELS        10h00
DA REDÇÃO

Moradores de áreas irregulares terão que desocupar suas casas para a construção da Avenida Parque do Barbado, em Cuiabá, nas próximas semanas. As 403 famílias deverão deixar o local o mais rápido possível já que, a Avenida Parque do Barbado, possui licença prévia e licença de instalação para o primeiro trecho da obra, que se estende da Universidade Federal de Mato Grosso até a Avenida Arquimedes Pereira Lima.

Segundo a Agecopa, a obra será um dos principais pontos de reestruturação do trânsito, interligando importantes vias de Várzea Grande ao CPA, em Cuiabá. Assim que ocorrer a desocupação da primeira etapa o projeto será licitada, a previsão é que ocorra nas próximas semanas.

Desocupação

Agentes comunitários participarão das ações de interlocução entre a Agecopa e os moradores. Segundo a magistrada Ana Cristina Silva Mendes, a Agecopa encaminhará ao grupo um levantamento socioeconômico dos moradores da região de desocupação. Em contrapartida, o Judiciário formulará o projeto da parceria.

45 agentes comunitários prestadores de trabalho voluntário à Justiça em Cuiabá estão sendo treinados para dialogar e ouvir as demandas dos moradores de bairros.

"Precisamos conhecer a realidade dessas pessoas que terão de migrar, o lugar para o qual elas irão e também o projeto da Agecopa, para que possamos realizar atividades efetivas que tenham foco no interesse público e que amparem esses moradores. A conciliação é importante para que todos saiam favorecidos", disse à juíza que coordena o grupo.

A Secretaria das Cidades deverá enviar ao núcleo da Justiça Comunitária o relatório com as casas que serão removidas e os locais passíveis de abrigar as 403 famílias que hoje vivem nas áreas irregulares. "Essa mudança é positiva, pois hoje essas pessoas vivem em áreas de risco ou em Área de Preservação Permanente", disse o coordenador da Agecopa, Maurício Guimarães.











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

TV REPÓRTER

INFORME PUBLICITÁRIO