11.02.2019 | 10h40


SAÚDE E BEM ESTAR

Pessoas que já tiveram dengue têm menos risco de contrair zika

Pesquisa mostra que a redução de contágio é de 25% para a maioria das pessoas que desenvolveram anticorpos após uma infecção por dengue



O Ministério da Saúde informou esta semana que 250 cidades no estado de São Paulo estão em estado de alerta para dengue, zika e chikungunya, doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. No entanto, um estudo publicado no periódico Science pode trazer uma boa notícia: indivíduos que já tiveram dengue em algum momento da vida apresentam menor risco de infecção pelo zika vírus. A explicação: é possível que os anticorpos produzidos para combater a contaminação pela dengue ofereça proteção cruzada contra o zika. Segundo a pesquisa, a redução de contágio é de 25% para a maioria dos indivíduos que desenvolveram anticorpos após uma infecção por dengue. Em alguns casos, essa proteção pode subir para 44%.

Apesar disso, os pesquisadores descobriram que indivíduos que foram infectados recentemente por dengue tem resultado oposto, ou seja, estão mais propensos ao zika. Algumas das possíveis explicações para o fenômeno podem ser anticorpos protetores ainda não suficientemente desenvolvidos ou algum problema no sistema imunológico que aumenta o risco de contrair a doença. Além disso, a baixa imunidade poderia ser explicado pelo fato de que as duas infecções poderiam estar ocorrendo em um curto espaço de tempo, o que não permitiria ao organismo se proteger contra a segunda infecção.

O estudo

A equipe, composta de pesquisadores brasileiros e americanos, acompanhou 1.453 pessoas residentes em um bairro pobre de Salvador, na Bahia, que esteve entre os principais focos do surto de zika que aconteceu no Brasil em 2015. O estudo, que já vinha acontecendo antes da epidemia, permitiu o recolhimento de amostras antes, durante e depois do surto, o que permitiu análises comparativas. Antes do surto de zika, 642 participantes foram testados para infecção anterior por dengue; destes 86% apresentaram resultados positivos. O teste, que também avaliou o nível de anticorpos contra a doença, apontou que a cada duplicação dos níveis de anticorpos contra dengue correspondia a uma redução de 9% no risco de zika.

Exames realizados durante a epidemia de 2015 indicou que 73% dos participantes apresentavam evidências de contaminação pelo zika. De acordo com os pesquisadores, indícios apontam que o número de infectados não foi maior porque muitos indivíduos haviam adquirido imunidade suficiente para reduzir a transmissão. Essa descoberta também explicaria  porque a epidemia no Brasil não foi ainda maior. “Isso significa que existem alguns anticorpos de proteção cruzada contra a dengue que também protegem contra o zika. Mais estudos podem ser necessários para avaliar se as novas vacinas contra a dengue podem ser úteis na prevenção do zika”, comentou Ernesto Marques, da Fundação Oswaldo Cruz, em nota











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

Enquete

GESTÃO

Como você define o governo de Mauro Mendes, até agora?

Excelente: MT foi destruído por governos anteriores

Bom: Está enfrentando problemss que ninguém quis enfrentar

Ruim: Não faz reformas de verdade e culpa o servidor

Péssimo: Vai conseguir ser pior que Silval e Taques

  • Parcial

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER