21.04.2017 | 07h55


ESPEROU DOIS CASAMENTOS ACABAREM

Mulher conta como esperou 33 anos para se tornar esposa de seu amante

Marilia Lopes revelou como precisou esperar dois casamentos acabarem para, finalmente, se tornar esposa do homem que ama



O amor me levou a questionar meus valores morais, desafiar a minha família e fazer algo que eu jamais me julgara capaz: virar amante de um homem casado.” Assim começa a história de Marilia Lopes, 60 anos, dona de casa, moradora de Taboão da Serra (SP).

Ao site Sou + Eu, a mulher contou a trama do seu relacionamento e de como esperou 33 anos para deixar de ser amante para se tornar esposa. O ano era 1979 e ela tinha 23 anos. Marília conta que conheceu Salvador por meio de colegas de trabalho e foi preciso apenas um “Oi” para que se sentisse envolvida.

Na época, Salvador tinha 29 anos, uma esposa e três filhos. Mais ainda: Marília lembra que ele era só elogios para a mulher. Mesmo assim, pediu o telefone dela e não demorou muito para que os dois começassem um caso. “Só que fui criada como moça direita e tinha uma família com a moral bem rígida. Não sei como não enlouqueci. Odiava a sensação de estar fazendo algo errado, mas não conseguia acabar com aquilo”, lembra.

A relação, segundo ela, ia muito além de motéis. Os dois iam a bares, encontravam amigos. “Tudo que um casal ‘normal’ faz a gente fazia”, diz Marília. Porém, ela vivia mentindo para a família. Marília chegou a conhecer a esposa de Salvador, tendo sido apresentada como uma colega de trabalho. “A verdade é que a situação era cômoda tanto para ele, como para nós [ela e a esposa]. Foi assim por 13 anos. A gente tentou se separar algumas vezes, mas sempre acabávamos voltando.”

 

A outra. De novo

Aos 36 anos, ela teve um filho com Salvador. Marília garante que, mesmo continuando com a outra família, o pai era presente e ajudava com as despesas. Naquela época, o casamento oficial acabou e a mulher estava crente que se tornaria esposa. Para sua surpresa, Salvador foi morar com outra mulher, 15 anos mais nova que ela.

“Aí meu sangue subiu. Que desaforo! Me deu uma sensação horrível de não ser boa o bastante e cobrei uma explicação. Meu amor disse que não queria comprar briga com a minha família e era ‘mais fácil’ ir pra casa da Meg.” Ela afirma que, mais uma vez, aceitou ser a segunda opção. “Tudo bem, eu confesso: também me acostumei ao Salvador e tinha medo de deixá-lo para começar do zero com outra pessoa”, conta.

O que ela não esperava é que a nova esposa de Salvador se tornaria sua amiga. A situação chegou a um ponto no qual ele comprou dois apartamentos no mesmo prédio: em um deles, viviam Marília e o filho. No outro, ele e a nova esposa. “Eu e a Meg acabamos virando amigas de verdade. Saíamos para fazer compras e almoçar, dávamos pitaco na casa uma da outra e, mais importante, falávamos sobre o Salvador.”

Meg, porém, morreu vítima de câncer. Antes de morrer, ela pediu a Salvador que ficasse apenas com Marília. Na mesma época, ela perdeu a mãe. “Nesse momento, o Salvador entendeu que não tinha mais ninguém da minha família para se opor ao nosso relacionamento e resolveu me chamar pra viver  com ele. Depois de 33 anos, finalmente deixei de ser amante e virei a esposa oficial!”











COMENTÁRIOS

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do Repórter MT. Clique aqui para denunciar um comentário.

INFORME PUBLICITÁRIO

TV REPÓRTER